Comprar Seguidores no Instagram é Seguro?

Comprar Seguidores Para InstagramÉ seguro comprar seguidores no Instagram?

Posso ter o meu perfil banido?

Essas perguntas são frequentes e por isso resolvemos desvendar esse mito.

Listamos abaixo o passo a passo para você comprar seguidores e curtidas no Instagram de forma segura, sem correr o risco de ter o perfil bloqueado:

  1. Pesquise antes de comprar, pergunte a amigos ou alguém que já comprou seguidores e curtidas no Instagram.
    Existem várias empresas que vendem seguidores e curtidas, algumas sérias, outras não, por isso é bom pesquisar antes.

    Sugestão:
    Compre seguidores no Instagram com a Social Star.
  1. Opte pelo pagamento através do PagSeguro ou PayPal.

    São duas das formas mais seguras de comprar na internet.
  2. Compare preços, mas dê preferência para qualidade.Você vai encontrar diferentes preços, alguns bem baratos, mas quando a esmola é demais, o santo desconfia.Geralmente os preços muito baratos são seguidores e curtidas falsas, feitas por programas de computador.Por isso, verifique a qualidade antes do preço.
  3. Verifique se tem Garantia.Antes de comprar, verifique se o fornecedor oferece garantia.É normal você perder alguns seguidores após a entrega, mas se cair abaixo do que você comprou, a empresa deve repor sem custo.
  4. Considere começar comprando pequenas quantidades de seguidores.Comece devagar e vá aumentando com o tempo. Principalmente se o seu perfil for novo ou com poucos seguidores.Qualquer aumento repentino exagerado pode ligar uma alerta no Instagram. Se o seu perfil é novo, comece comprando de 1.000 a 5.000 seguidores.Se você já tem alguns seguidores e posta regularmente, pode começar com 10.000 e ir aumentando.
  1. Compre Curtidas para as Fotos e Vídeos Também.Ter muitos seguidores, mas poucas curtidas nas fotos e vídeos fica parecendo que o seu público não gosta muito do que você posta.Combine seguidores com curtidas para as fotos e vídeos.
  2. Não Espere Interação dos Seguidores Que Você Comprou.Esses seguidores são para aumentar a quantidade e dar credibilidade ao seu perfil, mas não espere que eles curtam ou comentem suas fotos.Lembre-se que eles não optaram seguir por vontade própria, eles foram pagos para isso.
  3. Seja Paciente.Ganhar seguidores orgânicos, que optam seguir por vontade própria, leva tempo. É um trabalho constante, diário, mas recompensável.Compre para impulsionar, mas continue o trabalho diário para conquistar o seu público e aumentar seus seguidores.

Como Comprar Seguidores e Curtidas no Instagram em 3 Passos Simples:

Componentes do chocolate associados a melhora cognitiva

Por: Stuart Clark

Uma pesquisa da Universidade de Columbia indica que o consumo de flavonoides do cacau melhora a atividade cerebral em áreas específicas através do aumento do fluxo sanguíneo.

bebida-achocolatada

Flavonoides são encontrados naturalmente no cacau, chá e uma variedade de frutas e legumes, mas a maioria dos métodos de processamento de cacau reduz estes níveis drasticamente.

O cacau nunca pareceu tão atraente. Um componente de chocolate foi encontrado para ajudar na perda de memória relacionada à idade em adultos saudáveis ​​com idades entre 50-69. O efeito “rejuvenescedor” pode ser atribuído ao aumento do fluxo sanguíneo em uma região específica do cérebro, dizem os pesquisadores.

Esta é a primeira ligação direta entre o esquecimento relacionado com a idade é causado por alterações em uma parte específica do cérebro. Além disso, é uma evidência inédita de que o declínio da memória pode ser invertido por uma mudança na dieta.

Uma bebida de cacau especialmente preparada foi dada a uma amostra de 37 adultos mais velhos por dia durante três meses. Para alguns, a bebida continha uma grande quantidade de flavonoides, que são encontrados naturalmente no cacau, chá e uma grande variedade de frutas e legumes. Para os outros, a bebida era em grande parte livre do composto.

Testes de reconhecimento de padrão encontraram que aqueles no grupo de alto flavanol tinham a memória significativamente melhorada no final do teste do que no início. Os exames do cérebro mostraram que o volume de sangue em uma parte do cérebro chamada de giro dentado também tinha melhorado.

“Se um participante tinha a lembrança de uma típica pessoa de 60 anos no início do estudo, após três meses ele possuía, em média, a memória de um típico indivíduo de 30 ou 40 anos”, disse Scott, professor de neurologia e diretor do Centro de Pesquisa de Doenças de Alzheimer no Instituto Taub na Columbia University Medical Center.

Ele é o principal autor do trabalho, que foi publicado online na revista Nature Neuroscience.

Os resultados foram recebidos com otimismo cauteloso. “Seria muito interessante se uma melhora no desempenho cognitivo dos flavanóis fosse mostrada em um estudo mais amplo”, disse Liz Coulthard, consultor professor de neurologia da demência, da Universidade de Bristol.

Infelizmente manter sua memória boa ao longo dos anos não é tão fácil quanto se lembrar de comer mais chocolate. A maioria dos métodos de processamento de cacau removem os flavanols. Uma barra de chocolate típica contém cerca de 40 mg. A bebida especial usado no ensaio continha 900 mg. Então coma cacau ou chocolate 70% em diante.

As bebidas foram preparadas pelo fabricante de chocolates Mars Incorporated, que também financiou parte do estudo, então há ainda uma possibilidade de conflito de interesse envolvido na pesquisa. O programa de pesquisa flavanol Mars começou no final de 1980 para investigar os possíveis benefícios para a saúde cardiovascular e cognitiva oferecido pelo composto.

Banner1

Leia também…

  • Exercícios estimulam a saúde cerebralExercícios estimulam a saúde cerebral
  • Gordura saturada supera a concorrênciaGordura saturada supera a concorrência
  • Jejum Intermitente vs Restrição CalóricaJejum Intermitente vs Restrição Calórica
  • História de Sucesso: Daniele HonainHistória de Sucesso: Daniele Honain

O post Componentes do chocolate associados a melhora cognitiva apareceu primeiro em Primal Brasil.

Primal Brasil

Carne vermelha causa doença cardiovascular?

 

Por: Steven Hamley

carne-vermelha

Após surgir a teoria de que carne vermelha aumenta o risco de doença cardiovascular (DCV) * investigadores têm investigado os possíveis mecanismos. A atenção recentemente virou-se para carnitina (e colina, mas este post vai se concentrar na carnitina) como um dos componentes na carne vermelha responsáveis ​​pela carne vermelha, supostamente aumentar o risco cardíaco CVD [1]

Essencialmente, o argumento é que a carnitina e colina aumentam um químico chamado TMAO (N-óxido de trimetilamina) no sangue, o qual está associado com doenças cardiovasculares em quantidades elevadas em ratinhos geneticamente susceptíveis [1].

Isso soa bastante como os argumentos reducionistas contra gorduras saturadas, com a única base do argumento sendo a seguinte lógica falha – gordura saturada = mais LDL-C (um tipo de colesterol para os leigos) = mais eventos de doenças do coração.

* Mesmo que uma recente revisão sistemática e meta-análise (2010)  tenha concluído que “não há ensaios clínicos indicando efeitos do consumo de carne vermelha, processadas ou total no aumento de eventos cardiovasculares ou diabetes ” e em estudos prospectivos de coorte ” o consumo de carne vermelha não foi associado com doenças do coração CHD “[2], o que é consistente com os dados da pesquisa NHANES III [3]

O que é Carnitina?

 

A carnitina é um composto que encontra-se quase exclusivamente nas carnes (por isso ‘carn-‘) e podem ser sintetizados por seres humanos a partir dos aminoácidos metionina e lisina utilizando enzimas dependentes de vitamina C [4]

A principal função da carnitina é o transporte de ácidos graxos para a matriz mitocondrial das células para ser metabolizado*. Carnitina também funciona como um antioxidante e suporta a função mitocondrial.

Há evidências dos efeitos da suplementação de carnitina e parece que a carnitina é um composto benéfico em uma variedade de contextos [5]. Por exemplo, a carnitina reduz a pressão sanguínea [5], melhora a sensibilidade insulina [5] e reduz o declínio cognitivo em idosos [5]  

* Devido a esta função, a carnitina tem sido promovida como um suplemento “queimador de gordura”. No entanto, não parece aumentar a oxidação de gordura a menos que o consumo de carnitina diário seja inadequado. [5]

Será que a carnitina causa doenças cardiovasculares?

 

O mecanismo proposto da carnitina, de que ela “aumenta o químico TMAO e logo deve aumentar o risco cardíaco”  foi exaustivamente criticado pelo pesquisador Chris Masterjohn [6]. Outras pessoas também criticaram o estudo (embora não tão bem como Chris Masterjohn), mas quase todas essas críticas centraram-se na concepção do estudo e/ ou nos mecanismos, com muito pouca atenção dada à questão real: “a carnitina aumenta o risco de DCV? “Felizmente, temos boas evidências para nos ajudar a responder essa pergunta.

Uma revisão sistemática e meta-análise de ensaios clínicos (13 ensaios, N = 3629) foi realizado em 2012, olhando para os efeitos da suplementação de carnitina em eventos cardiovasculares e mortalidade total na prevenção secundária (pessoas que tiveram um ataque cardíaco) [7] . Constatou-se que a carnitina está associado com:

  • “Uma redução significativa de 27% na mortalidade por qualquer causa (Odds ratio, 0,73; IC 95%, 0,54-0,99; P = 0,05; risk ratio [RR], 0,78; IC 95%, 0,60-1,00; P = 0,05) “
  • “uma redução altamente significativa de 65% de arritmias ventriculares (RR, 0,35; IC 95%, 0,21-0,58; P <0,0001) “
  • “Uma redução significativa de 40% no desenvolvimento da angina (RR, 0,60; IC 95%, 0,50-0,72; P <0,00001) “
  • “Não há redução no desenvolvimento de insuficiência cardíaca (RR, 0,85; IC 95%, 0,67-1,09; P = 0,21) ou re-enfarte do miocárdio * (RR, 0,78; IC 95%, 0,41-1,48; P = 0,45) “

Estes resultados são superiores aos das drogas redutoras de colesterol, as estatinas e ao contrário das estatinas (que aumentam o risco de diabetes tipo 2 [8] e pode prejudicar a função cognitiva), carnitina parece melhorar a função cognitiva e a resistência à insulina [5].

Suplementos de carnitina são relativamente baratos, então eu não vejo muita razão para que eles não sejam prescritos para pessoas que tiveram um ataque cardíaco

Estou falando da prevenção secundária, por isso é desconhecido se a carnitina terá um efeito benéfico similar na prevenção primária (pessoas que não tiveram um ataque cardíaco). No entanto, com base nesses resultados e efeitos globais da carnitina (ver o artigo número 5 da Examine) é provável que a carnitina seja benéfica para a prevenção primária também. No mínimo, seria surpreendente se algo que é benéfico para a prevenção secundária fosse prejudicial para a prevenção primária

A limitação dos Mecanismos

 

A moral da história é que os mecanismos biológicos são apenas hipóteses para o que acontece no mundo real. Muita gente a maioria dos mecanismos para  “A  pode causar B que pode causar C “, ou seja Carnitina causa TMAO ( N-óxido de trimetilamina) que causa doenças do coração – ou mesmo o argumento errado de que gordura saturada causa o aumento de LDL-C (tipo de colesterol para os leigos) que causa doenças do coração.

 Este é raramente o caso em biologia, já que os sistemas biológicos são altamente interligado e compostos biologicamente ativos tem muitos efeitos no corpo.

**. Neste caso, apesar da carnitina poder ter algum efeito negativo, ao aumentar o TMAO, a carnitina também tem muitos efeitos benéficos, resultando num efeito positivo líquido para eventos cardiovasculares e mortalidade total em prevenção secundária. A única maneira de testar isso é fazendo ensaios clínicos.

* Além disso, quando consumirmos carnitina a partir de carne também estamos ingerindo muitos outros nutrientes e vários compostos da carne, todos os quais têm seus próprios efeitos biológicos. Com isto em mente, no pensamento teórico, a redução  de um determinado alimento (ou grupo de alimentos) para um nutriente (ou vários) ignora o efeito biológico líquido de todos os nutrientes e compostos de um determinado alimento, sem contar todas as interações de nutrientes.

Um bom exemplo disto é demonizar frutos, reduzindo-os a açúcar, ou ovo reduzindo a colesterol.

Resumo:

 

  • Não houve ensaios clínicos examinando o efeito da carne vermelha nas doenças cardiovasculares DCV
  • A carne vermelha não está associada a doenças cardiovasculares em estudos observacionais, exceto como correlações inconclusivas em meio a variáveis de conflito.
  • A carnitina é um nutriente benéfico numa variedade de contextos
  • Carnitina reduz eventos cardiovasculares e mortalidade total na prevenção secundária.
  • Só porque A pode causar B e B pode causar C não significa A irá causar C.

banner livro

Leia também…

  • Dieta low-carb e a cura da diabetesDieta low-carb e a cura da diabetes
  • O mito da moderação – Parte 2O mito da moderação – Parte 2
  • Jejum fortalece o sistema imunológicoJejum fortalece o sistema imunológico
  • Orientações para redução de sal na dieta são equivocadasOrientações para redução de sal na dieta são equivocadas

O post Carne vermelha causa doença cardiovascular? apareceu primeiro em Primal Brasil.

Primal Brasil

Cuidado paliativo pode antecipar a morte de uma pessoa?

Gabriela Brito

Presidente da Academia Nacional de Cuidados Paliativos diz o que mudou desde o reconhecimento da prática pelo Conselho Federal de Medicina

Objetivo do cuidado paliativo é melhorar a qualidade de vida do paciente diante de uma doença que ameace a vida

Objetivo do cuidado paliativo é melhorar a qualidade de vida do paciente diante de uma doença que ameace a vida

Foto: Shuttersock

“Na fase terminal de enfermidades graves e incuráveis é permitido ao médico limitar ou suspender procedimentos e tratamentos que prolonguem a vida do doente, garantindo-lhe os cuidados necessários para aliviar os sintomas que levam ao sofrimento, na perspectiva de uma assistência integral, respeitada a vontade do paciente ou de seu representante legal.”

LEIA MAIS: Recente no Brasil, medicina paliativa dá ‘qualidade de morte’ a idoso incurável

A resolução acima foi publicada há exatos dez anos pelo Conselho Federal De Medicina. Na época, o texto gerou polêmica por reconhecer a prática dos cuidados paliativos, que ainda hoje é visto por algumas pessoas como algo que pode antecipar a morte.

“Existe ainda muita má informação. Tem gente que pensa que o cuidado paliativo só é usado nas últimas horas de vida, que vai abreviar a vida, que a gente vai somente sedar o doente; e isso é acreditado mesmo entre os profissionais de saúde e em alguns hospitais”, afirmou a presidente da Academia Nacional de Cuidados Paliativos, Dra. Maria Goretti Maciel.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, a prática consiste “na assistência promovida por uma equipe multidisciplinar, que objetiva a melhoria da qualidade de vida do paciente e seus familiares, diante de uma doença que ameace a vida”. Frequentemente relacionado ao câncer, esse tipo de cuidado também pode ser usado em casos de doenças crônicas, como as cardíacas ou o diabetes, que acabam deteriorando a saúde do paciente após um longo período.

Mesmo com os problemas que ainda encontra no dia a dia do trabalho, Dra. Goretti acredita que os últimos dez anos foram revolucionários em relação à prática. “Ainda estamos longe do que queremos alcançar, que é ter o cuidado paliativo em todos os hospitais, qualificado, mas nunca se falou tanto em cuidado paliativo.”

Dificuldade em lidar com a morte

Apenas uma coisa é certa ao nascermos: um dia, todos nós vamos morrer. Ainda assim, o tema ainda é um tabu na sociedade e causa medo em muitas pessoas. Em relação aos profissionais de saúde, por exemplo, existe também o medo de uma possível frustração com o paciente.

“Existe um receio em lidar com a pessoa que vai morrer, um sentimento de impotência muito grande e uma sensação de que não vai dar conta daquilo. Por outro lado, também vemos uma banalização e coisas terríveis, como profissionais que acreditam que não há mais nada para se fazer com a pessoa, mas os cuidados paliativos vêm como uma resposta. Há muito o que se fazer.”

LEIA MAIS: Nas doenças incuráveis, devemos apenas aliviar a dor e dar qualidade de vida’

Muitas pessoas acreditam que a médica só vê sofrimento em seu trabalho, mas Dra. Goretti e sua equipe conseguem, na maioria das vezes, proporcionar um conforto físico e emocional para o paciente e também à família. O cuidado paliativo envolve diversos profissionais, como médicos, enfermeiros, nutricionistas, fisioterapeutas e até mesmo líderes espirituais em alguns casos.

O objetivo principal não é prolongar a vida do paciente, já que ele já está no fim da vida, mas alguns estudos mostram que este cuidado diferenciado acaba até mesmo dando um maior tempo de vida, e com qualidade, à pessoa. “Eu continuo com a missão de proteger da morte e da doença.”

A diferença é que os profissionais palitivistas procuram usar a menor quantidade de medicação possível e até mesmo evitam alguns exames, fazendo uma análise mais clínica do paciente para não expor a pessoa. No caso da morfina, analgésico do grupo dos opioides e muito usado, a utilização é feita com muito cuidado e com doses muito baixas, para não causar prejuízos.

Sistemas de saúde

A capacitação dos profissionais ainda é um problema, mas já existem cursos de aperfeiçoamento e especialização em São Paulo, Belo Horizonte, Fortaleza, Salvador e Recife, segundo Dra. Goretti. Por conta disso e a questão do preconceito que ainda existe, o trabalho paliativo nos sistema de saúde público e privado ainda estão muito no começo Brasil na visão da especialista.

LEIA MAIS: “O câncer me fez parar de me preocupar em ser uma mãe perfeita”

Ela lembra que no Índice de Qualidade de Morte de 2015, levantamento feito pela consultoria britânica Economist Intelligence Unit, dos 80 países avaliados, o Brasil ficou apenas na 42ª posição. Considerando só a América, o País fica atrás dos Estados Unidos, Canadá, Chile, Costa Rica, Panamá, Argentina, Cuba, Uruguai e Equador.

Quando avaliada a capacidade de oferecer o cuidado paliativo, apenas 0,3% dos pacientes que morreram no último tiveram acesso ao serviço. É o mesmo índice do Iraque e de Gana e pior que países como Malaui, Uganda e Quênia.

Saúde: bem-estar, dicas de alimentação, dieta e exercícios – iG

Ator faz experimento chocante comendo açúcar

Por: EMMA REYNOLDS

sugar_stacks_18Já se foi 10 anos desde que o cara chamado Morgan Spurlock viveu comendo apenas McDonald por um mês no filme inovador, Super Size Me.

Agora nossas cinturas enfrentam uma nova ameaça, e outra cobaia sofreu uma grande auto-experimentação arriscada para tentar dar sentido a esta “nova” ameaça da alimentação moderna.

O ator de TV australiana e cineasta Damon Gameau estrelou no filme que foi ao ar nos cinemas australianos no início de 2015, no qual ele vive comendo apenas alimentos de baixo teor de gordura que são considerados pela indústria de alimentos processados como “saudáveis” com um elevado teor de açúcar por 60 dias.

Os resultados são mais chocante do que qualquer um poderia ter esperado.

Dentro de três semanas, o autor Damon previamente saudável estava se sentindo terrível o tempo todo, letárgico e com a saúde péssima.

Uma visita ao médico confirmou o pior – ele tinha o começo de doença hepática gordurosa.

Damon Gameau features in That Sugar Film.

Damon Gameau é estrela do filme chamando“o açúcar”

“Eu não tomei refrigerantes, não comi chocolate, sorvete ou confeitaria”, disse Damon recentemente “Todos os açúcares que eu estava comendo foram encontrados em alimentos supostamente percebidos como saudáveis, como iogurtes de baixo teor de gordura, barras de cereais e sucos de frutas, bebidas esportivas … esse tipo de coisas que muitas vezes os pais dão aos seus filhos apensando que eles estão fazendo a coisa certa.”

Em vez disso, o ator revela que esses açúcares escondidos tiveram um efeito extremamente prejudicial à sua saúde física e mental.

Damon consumed 40 teaspoons a day, just slightly more than the average teenager.

Damon consumiu 40 colheres de chá por dia (dos próprios alimentos), apenas um pouco mais do que o adolescente ordinário nos EUA.

Ganhou 10 cm de gordura visceral em torno de sua cintura, e foi informado de que ele estava no caminho rápido para a obesidade. Ele também foi informado que seu funcionamento mental estava “instável”.

Damon tinha aumentado sua ingestão para 40 colheres de chá de açúcar por dia, apenas um pouco mais do que o do adolescente médio em todo o mundo. A ingestão diária recomendada é de um máximo de nove colheres de chá por dia, ou seis para mulheres.

Ele agora acredita que a rotulagem é deliberadamente ambígua, e que precisamos estar conscientes de que  cada quatro gramas de açúcar consiste em equivale a uma colher de chá de açúcar.

Apesar de manter suas calorias iguais, Damon disse que nunca parecia se sentir saciado.

Within three weeks, he had developed early signs of fatty liver disease.

Ele desenvolveu sinais de doença hepática após 3 semanas.

Para o lanche, ele comia iogurte de baixo teor de gordura, cereais e suco de maçã. Que continham 20 colheres de chá de açúcar.

“Nós não estamos sendo dogmáticos, mas apenas dizendo que as pessoas tem que estar cientes de que precisam parar de comer açúcar”, disse ele. “O açúcar está agora em 80 por cento dos alimentos processados que ​​estamos comendo. Se conseguirmos remover isso, esse é o primeiro passo para fazer uma mudança. ” O rei das receitas e ativista de alimentos Jamie Oliver chamou o filme de “essencial para todos assistirem”. Será que ele convenceu as pessoas a mudarem os seus hábitos?

 

Existem hoje cerca de seis milhões de australianos com doença hepática gordurosa, e apenas 6000 foi ​​pelo álcool. A diabetes tipo 2 está matando alguém a cada seis segundos no mundo, e Damon acredita que chegamos a um ponto em que precisamos fazer alguma coisa.

Os criadores do filme “O açúcar” garantiram um financiamento para criar um programa educacional em torno do filme.

Seu site oferece dicas, receitas e um guia de estudo para crianças, e mais tarde irá se transformar em algo maior, onde as pessoas podem participar em desafios como cortar o açúcar por 10 dias.

The filmmaker said he felt lethargic and bad-tempered on the diet.

O cineasta disse que se sentiu letárgico e mal-humorado na dieta.

Última refeição de Damon foi um total de 40 colheres de chá de açúcar que poderiam ser encontrados em lancheiras escolares de crianças comuns.

“Infelizmente, foi muito fácil e prático de preparar este lanche que encaixou confortavelmente no pequeno recipiente de plástico”, escreveu ele em seu blog documentando seu experimento.

“A última refeição foi para todas as pessoas, especialmente pais, que são levados a acreditar que eles estão fazendo a coisa certa e saudável para seus filhos. Eles estão fazendo um esforço, mas infelizmente eles ainda são terrivelmente prejudicados pela falta de integridade das estratégias de marketing de embalagens”.

 

A última refeição:

 

Um suco de maçã e groselha Orgânica (6 colheres de chá)

Duas minúsculas ‘barras de frutas’ (8 colheres de chá)

Uma caixa de Macro Sultanas Orgânica (5 colheres de chá)

Uma barra de cereal Kelloggs (4 colheres de chá)

Um pacote de salada de frutas secas (como pedaços de damasco, mas frutas misturadas, revestidas em açúcar. (5 colheres de chá)

Uma embalagem de de suco de maça (5 colheres de chá)

Um sanduíche de geleia (4 colheres de chá)

Uns dos principais ofensores:

 

Tâmaras (4 colheres de chá)

Bebida populares 250ml de líquido de pequeno-almoço (4 colheres de chá)

Garrafa de 250ml de suco de multi-vitamínico (6 colheres de chá)

Chá gelado (8 colheres de chá)

Gatorade (8 colheres de chá de açúcar)

Suco de maçã 400ml (10 colheres de chá)

Iogurte desnatado (11 colheres de chá)

banner livro

Leia também…

  • Rainha Elizabeth segue uma dieta low-carbRainha Elizabeth segue uma dieta low-carb
  • Associação americana de cardiologia recomenda cortar o açúcar das criançasAssociação americana de cardiologia recomenda cortar o açúcar das crianças
  • Em busca da dieta humana perfeitaEm busca da dieta humana perfeita
  • Celebridade vira paleo e low-carbCelebridade vira paleo e low-carb

O post Ator faz experimento chocante comendo açúcar apareceu primeiro em Primal Brasil.

Primal Brasil

TRIBO FORTE #038 – GENÉTICA “RUIM”, TIREÓIDE, MUSCULOS E NÓS COMO RATOS DE LABORATÓRIO

Bem vindo(a) hoje a mais um episódio do podcast oficial da Tribo Forte!

Os podcasts são 100% gratuitos e episódios novos saem todas as terças-feiras.

Certifique-se de colocar seu email aqui em cima do site para ser avisado das novidades e de futuros podcasts.

No Episódio De Hoje:

Este episódio está recheado de informações. Os principais temas que serão tratados são:

  • Revisão de alguns pontos sobre o maior experimento alimentar (falho) conduzido na história (e todos nós como cobaias durante mais de 40 anos)
  • Perda de massa muscular com alimentação forte? ou não?
  • Alimentação lowcarb e melhoras na tireóide (Hashimoto’s). Primeiro estudo que evidencia isso.
  • Estudo quentinho saindo do forno com ótimas notícias para quem acha que tem genética “ruim”
  • O que comemos na última refeição e um papo sobre a qualidade de alimentos nos mercados.

Lembrando: Você é MEMBRO VIP da Tribo Forte ou ainda está de fora? Tenha acesso a receitas simples e deliciosas diariamente, artigos internacionais traduzidos diariamente, fórum de discussão, documentários legendados e MUITO mais! Não fique de fora e se junte a este movimento agora mesmo, clicando AQUI!

 Tribo Forte - Se Torne Membro copy

Ouça o Episódio De Hoje:

Quer se juntar ao grande movimento e fazer parte da familia de membros VIP da Tribo Forte e ganhar acesso ao portal exclusivo e privilegiado e ao fórum para membros? Clique AQUI.

Para baixar este episódio, clique aqui com o botão direito e escolha “Salva Como…”

Quer Emagrecer De Vez? Conheça o programa Código Emagrecer De Vez

Logo-Banner-quadrado1Abaixo eu coloco alguns dos resultados enviados pra mim por pessoas que estão seguindo as fases do Código Emagrecer De Vez, o novo programa de emagrecimento de 3 fases que é o mais poderoso da atualidade para se emagrecer de vez e montar um estilo de vida alimentar sensacional para a vida inteira.

Este programa é 100% baseado na melhor ciência nutricional disponível hoje no mundo.

Se quer colocar um sorriso novamente no seu rosto com um corpo e saúde que te dê orgulho, CLIQUE AQUI.

Alguns dos resultados REAIS de membros que estão finalizando os primeiros 30 dias do programa Código Emagrecer De Vez.

test15

test16

test17

Quanto_peso_1_mes_rtfd4

Quer seguir o Código Emagrecer De Vez você também? Clique AQUI e comece HOJE!

Referências do Episódio

Rodrigo Polesso Dia Dia Da Band com pizza de massa de couve-flor

Rodrigo Polesso no programa Dia Dia da BAND fazendo a pizza de couve-flor

Rodrigo Polesso TV Record alimentação saudável

Rodrigo Polesso na TV Record falando sobre alimentação saudável

Ótimo artigo da VICE sobre o experimento alimentar falho dos últimos 40 anos.

Artigo sobre dieta lowcarb e melhora na tireóide (condição de Hashimoto’s)

Novo estudo sobre lifestyle e carga genética

Abaixo, fotos do banquete lowcarb que a Polyana preparou pro Dr. Souto:

1 2016-11-19-photo-00001870 2016-11-19-photo-00001871

 

Transcrição do Episódio

Por causa do evento ao vivo da Tribo Forte, estamos atrasados em relação as transcrições. No entanto, ela será publicada em breve aqui.

Emagrecer de Vez

Wi-fi ajuda a reverter paralisia em macacos

BBC

Tecnologia permitiu que eles conseguissem enviar comandos do cérebro até os nervos de uma perna, mas método para humanos deve ser mais avançado

Macacos utilizados na pesquisa tinham apenas uma perna paralisada e conseguiram retomar o movimento e caminhar

Macacos utilizados na pesquisa tinham apenas uma perna paralisada e conseguiram retomar o movimento e caminhar

Foto: EPFL

Pesquisadores conseguiram fazer com que macacos que sofriam de paralisia devido a lesões na espinha pudessem retomar o movimento em uma das pernas com o uso de um dispositivo wireless implantado no cérebro. Foi a primeira vez que a técnica foi utilizada com sucesso.

A pesquisa, que utilizou macacos rhesus, foi conduzida pelo Instituto Federal de Tecnologia da Suíça e publicada pela revista científica Nature. A tecnologia permitiu que os primatas conseguissem enviar comandos do cérebro até os nervos de uma das suas pernas, o que antes não era possível devido a uma lesão na coluna. (veja representação na imagem abaixo).

LEIA MAIS: O que é o Mayaro, vírus que pode estar se espalhando pelo continente e preocupa cientistas

LEIA MAIS: Ser ‘hipocondríaco’ pode elevar risco de doenças cardíacas, diz estudo

De acordo com os especialistas, a tecnologia pode ser testada em humanos em uma década. A paralisia normalmente é causada por lesões na medula espinhal, que impedem que os sinais nervosos enviados pelo cérebro cheguem até os membros. É um ferimento que raramente se cura.

Tecnologia wireless permite

Tecnologia wireless permite “pular” lesão e reconectar nervos da perna ao comando de cérebro

Foto: BBC/ Nature


No estudo, os macacos tiveram chips implantados nas partes do cérebro que controlam o movimento. Os dispositivos detectam os impulsos elétricos com as instruções para mexer a perna e enviam os dados para um computador.

LEIA MAIS: O que pode estar por trás do alto índice de autismo entre crianças brasileiras no Japão?

O computador decifra as mensagens e envia as instruções para um outro implante, adaptado à coluna, que estimula os nervos correspondentes através de sinais elétricos. O processo se dá em tempo real. Os macacos utilizados na pesquisa retomaram algum controle sobre a perna paralisada. Em seis dias após o implante, eles já conseguiam caminhar em linha reta sobre uma esteira.

“Essa é a primeira vez que um primata retomou sua capacidade de se locomover através da neurotecnologia”, afirmou Gregoire Courtine, um dos responsáveis pelo estudo. “O movimento para uma caminhada básica ficou perto do normal, mas ainda não conseguimos testar a habilidade de mudar de direção”, disse.

A tecnologia utilizada é a mesma já adotada em terapias para tratar o mal de Parkinson. Portanto, um avanço tecnológico para testar a técnica em pacientes humanos não seria necessário. O fator complicador, segundo Courtine, são as diferenças biológicas entre seres humanos e primatas. “Nós somos bípedes e isso exige formas mais sofisticadas para estimular os músculos”, explicou.

O chip é implantado no cérebro do macaco para enviar sinais à medula espinhal e possibilitar movimentos

O chip é implantado no cérebro do macaco para enviar sinais à medula espinhal e possibilitar movimentos

Foto: EPFL


Inovação

Para Jocelyne Bloch, neurocirurgiã do hospital da Universidade de Lausanne, na Suíça, a técnica realmente inovadora é a conexão entre a decodificação dos sinais emitidos pelo cérebro e o estímulo da medula espinhal.

“Pela primeira vez consigo imaginar um paciente completamente paralisado sendo capaz de mover suas pernas através dessa interface cérebro-espinha.”

O uso da tecnologia na recuperação de pacientes que sofrem com paralisia é um campo que vem se desenvolvendo rapidamente.

“Pacientes com paralisia querem ser capazes de retomar o controle real sobre seus movimentos, eles querem poder caminhar”, disse Mark Bacon, diretor de pesquisa da ONG Spinal Research. Ele comemora o uso de dispositivos implantados e afirma que as evoluções nesse campo “claramente demonstram progresso”.

Andrew Jackson, pesquisador da Universidade de Newcastle, também vê as evoluções com otimismo: “É bem possível que possamos ter as primeiras demonstrações clínicas de interfaces conectando a medula espinhal ao cérebro até o fim desta década.”

No entanto, Jackson faz a ressalva de que os macacos tinham apenas uma perna paralisada e não são bípedes como nós. Recuperar o movimento em duas pernas seria um desafio muito maior, lembrou ele.

“Locomoção útil também requer controle sobre equilíbrio, a capacidade de mudar de direção e evitar obstáculos. E nenhum desses fatores foi trabalhado pela pesquisa”, salienta.

Saúde: bem-estar, dicas de alimentação, dieta e exercícios – iG