Entidades repudiam abordagem sobre diabetes em vídeo do Portas dos Fundos

iG São Paulo

Esquete mostra um youtuber injetando 25 mililitros de insulina como uma “brincadeira”; Sociedade Brasileira de Diabetes pede a exclusão do conteúdo

Em vídeo%2C personagem que representa um youtuber aborda diabetes de maneira irresponsável%2C segundo entidades

Em vídeo%2C personagem que representa um youtuber aborda diabetes de maneira irresponsável%2C segundo entidades

Foto: Reprodução/YouTube Porta dos Fundos

Um vídeo publicado pelo canal de humor Porta dos Fundos nesta quinta-feira (9) não agradou entidades que atuam para a conscientização e prevenção da diabetes. No esquete, Gregório Duvivier ironiza o comportamento de youtubers interpretando um deles, mas foi criticado pela Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD) e ADJ Diabetes Brasil.

Leia também: Cientistas criam adesivo de insulina que pode substituir injeções em diabéticos

No esquete, um youtuber decide lançar um desafio de tomar injeções de insulina – hormônio usado para controlar os níveis de açúcar no sangue em pessoas com diabetes -, depois de ter comido diversos alimentos calóricos. Em tom de deboche, ele diz que vai injetar 25 mililitros de insulina no organismo e acaba morrendo.

“No intuito de fazer uma crítica a outros ‘youtubers’, [o vídeo] retrata o diabetes de uma forma errônea. Diabetes é uma doença crônica e um dos grandes problemas de saúde pública no nosso país. Além de transmitir informações infundadas sobre a doença, nota-se no vídeo a ridicularização do profissional de enfermagem e do uso indiscriminado da insulina, que pode acarretar sérios problemas de saúde, inclusive induzir ao coma ou até mesmo ao óbito”, escreveu a ADJ Diabetes Brasil em comunicado.

A SBD ressalta a seriedade da doença, que acomete aproximadamente 13 milhões de pessoas no Brasil e cuja “desinformação a respeito da condição ainda é grande”.

“Para se ter uma ideia do ainda grande desconhecimento acerca da doença, dados do levantamento destacam que apenas 5% dos brasileiros julgam necessário seguir orientações médicas para controlar o diabetes. Dessa forma, vídeos como o produzido pelo Porta dos Fundos reforçam a disseminação de informações equivocadas e que podem causar, direta e indiretamente, danos à saúde da população”, declarou a SBD em nota.

A entidade ainda solicitou ao canal Porta dos Fundos que exclua o conteúdo e pediu ainda uma retratação pública “às pessoas com diabetes, às suas famílias, aos profissionais que lutam pela educação em diabetes e a vigília diária para controlar os efeitos da doença”.

Veja a nota da SBD na íntegra:

“A Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD) repudia, com indignação e veemência, o vídeo do Canal Porta dos Fundos intitulado “YouTuber”, divulgado em 9 de agosto de 2018. Na tentativa de criticar outros produtores de conteúdo do youtube, o personagem diz que vai injetar 25 mililitros de insulina no organismo, enaltecendo o uso indiscriminado e totalmente errado do hormônio, além de ridicularizar pessoas com diabetes e profissionais de saúde envolvidos no cuidado do paciente.

Longe de ser considerada uma brincadeira, o diabetes é uma doença crônica, que acomete aproximadamente 13 milhões de pessoas no Brasil e cuja desinformação a respeito da condição ainda é grande, como apontou recente pesquisa Datafolha lançada recentemente pela Coalizão Para Sobreviver, da qual a SBD faz parte juntamente com associações de pessoas com diabetes. Para se ter uma ideia do ainda grande desconhecimento acerca da doença, dados do levantamento destacam que apenas 5% dos brasileiros julgam necessário seguir orientações médicas para controlar o diabetes. Dessa forma, vídeos como o produzido pelo Porta dos Fundos reforçam a disseminação de informações equivocadas e que podem causar, direta e indiretamente, danos à saúde da população.

É importante destacar outros dados mundiais da International Diabetes Federation (IDF), que evidenciam os riscos do mau controle do diabetes: a cada 20 segundos, uma pessoa tem amputação de membros graças à doença; a condição é a maior causa de cegueira; a cada seis segundos uma pessoa morre por causa do diabetes e 80% das mortes decorrem de complicações como infartos e AVC (derrame).

É preciso que a sociedade se mobilize para que esse tipo de desinformação não tenha propagação. Diabetes é uma doença grave e se complica quando não controlada e exclui e marca a vida com lutas diárias.

Solicitamos, publicamente, ao Canal Porta dos Fundos a exclusão do conteúdo e uma retratação imediata às pessoas com diabetes, às suas famílias, aos profissionais que lutam pela educação em diabetes e a vigília diária para controlar os efeitos da doença. Os ativos de comunicação, como o site www.diabetes.org.br, com o vasto arsenal de informações, são uma fonte adequada e responsável. 

SBD convida os representantes do Canal Porta dos Fundos para uma visita aos seus ativos e até mesmo à sede,  para que possam conhecer dados e esclarecer quaisquer dúvidas. Isso reforça o compromisso com a educação e informação. A SBD, portanto, está à disposição para colaborar na produção de conteúdos relacionados ao diabetes.”

Desinformação colabora para falta de diagnóstico de diabetes

Diabetes acomete aproximadamente 13 milhões de pessoas no Brasil , segundo SBD

Diabetes acomete aproximadamente 13 milhões de pessoas no Brasil , segundo SBD

Foto: shutterstock

Apesar dos perigos, a detecção precoce e o controle adequado da condição pode ajudar a evitar todas essas complicações. Porém, o maior desafio está na falta de diagnóstico de diabetes: estima-se que metade dessas pessoas com diabetes não sabe que tem a doença.

“É uma doença totalmente silenciosa, não há sintoma. Então, a pessoa precisa fazer exames para ter certeza se tem”, afirmou o diretor da SBD Márcio Krakauer. A falta de acesso à atendimento de qualidade e rápido também ajuda a diminuir os cuidados com a saúde o que, consequentemente, influencia na falta de controle da doença.

A endocrinologista Cassandra Pauperio afirma que a dificuldade de conseguir atendimento especializado de qualidade colabora para que a identificação da doença seja inibida. “Nem todo mundo tem acesso fácil ao sistema de saúde para a realização de exames que podem identificar a condição. Quem não tem plano de saúde depende do SUS, e por conta da demora para conseguir ser atendido, o paciente acaba recorrendo ao médico apenas em casos emergenciais. Aí não dá para fazer a prevenção.”

Leia também: Maioria dos médicos recém-formados erra diagnóstico de diabetes, afirma Cremesp

A maioria dos sintomas de diabetes aparecem tardiamente, quando a situação já está avançada – o que compromete o tratamento. “Quando a glicose está alta por muitos anos, podem aparecer alguns poucos sintomas, como excesso de sede, aumento do apetite, perda de peso, infecções urinárias”, completou Krakauer.

Saúde: bem-estar, dicas de alimentação, dieta e exercícios – iG

Entidades médicas britânicas emitem alerta sobre os perigos da língua bifurcada

iG São Paulo

Prática adotada por adeptos do body modification pode causar infecção, danos nos nervos, problemas na gengiva e dificuldade para engolir e respirar

Língua bifurcada ou tongue splitting é a prática que consiste em cortar a língua ao meio

Língua bifurcada ou tongue splitting é a prática que consiste em cortar a língua ao meio

Foto: CreativeCommons

Especialistas da área da saúde emitiram um alerta sobre os perigos que uma certa prática de modificação corporal pode causar para o organismo. Língua bifurcada, ou tongue splitting, como também é chamado o procedimento, pode deixar as pessoas vulneráveis ​​a sérios riscos de hemorragia, infecção e danos nos nervos, de acordo com os médicos.

Leia também: Depois de tatuagem de hena, menina tem queimadura química e fica marcada

Ter a língua bifurcada envolve cortar a língua de uma pessoa ao meio, deixando-a com a mesma aparência da língua de uma cobra ou lagarto. Com diversas técnicas para realizar o procedimento – utilizando desde laser, bisturi e até fio de nylon -, a prática se tornou um fenômeno global nos últimos anos entre os adeptos da body modification (modificação corporal).

No entanto, apesar de sua popularidade, os especialistas acreditam que muitos que realizam a prática estão alheios aos problemas a longo prazo que a técnica pode causar à saúde.

Pensando nisso, a Faculdade de Cirurgia Dentária, o Royal College of Surgeons e a Associação Britânica de Cirurgiões Plásticos Reconstrutivos e Estéticos emitiram um comunicado que foi publicado nesta sexta-feira (3) para alertar a população.

Perigos da língua bifurcada

Ter a língua bifurcada pode causar prejuízos na hora de engolir e respirar, dizem os especialistas

Ter a língua bifurcada pode causar prejuízos na hora de engolir e respirar, dizem os especialistas

Foto: shutterstock

Selina Master, da Faculdade de Cirurgia Dentária do Royal College of Surgeons, afirmou que os dentistas perceberam algumas “terríveis conseqüências” causadas por esses procedimentos.

“É tão importante que as pessoas percebam que estão se colocando em sério risco de perda significativa de sangue, infecção, danos nos nervos até problemas para respirar ou engolir”, informou Master.

Os especialistas também dizem que a prática pode causar fraturas nos dentes e danos dolorosos nas gengivas.

O presidente da Bapras, David Ward, acrescentou: “Nenhum cirurgião respeitável realizaria esse procedimento, pois ele apresenta altos riscos, tanto no momento do procedimento quanto a longo prazo. Não há razões médicas para fazer isso na Inglaterra, nem no País de Gales”.

Ward ainda falou sobre os cuidados necessários para um procedimento desse tipo, e que, certamente, não estão sendo adotados em todos os casos.

“Pacientes submetidos à cirurgia por razões estéticas passam por uma avaliação pré-operatória completa, muitas vezes incluindo avaliação psicológica. Mas os profissionais que realizam a separação da língua não terão o treinamento e as habilidades necessárias para tais avaliações, colocando seus clientes em risco muito significativo.”

Além disso, eles acrescentam que, após uma recente decisão da Justiça, qualquer pessoa na Inglaterra e no País de Gales que esteja oferecendo tongue splitting provavelmente estará fazendo um ato ilegal.

No entanto, ainda não ficou claro sobre essa situação, uma vez que a prática não é abrangida por qualquer legislação existente em outras partes da Europa. Isso significa que o procedimento invasivo é basicamente não regulamentado.

“Há uma necessidade urgente de que a lei em outras partes do Reino Unido seja esclarecida. FDS e Bapras também estão preocupados que, apesar do debate jurídico, a demanda por procedimentos de separação da língua possa continuar, mas clandestinamente”, afirmou Ward.

Leia também: 

Homem morre por não seguir recomendações de tatuador

Assim como a língua bifurcada, a tatuagem também é uma prática comum, que deve seguir recomendações de higiene

Assim como a língua bifurcada, a tatuagem também é uma prática comum, que deve seguir recomendações de higiene

Foto: Reprodução/Twitter

Ao realizar alguma modificação corporal, ignorar as recomendações de higiene pode prejudicar a saúde e, em alguns casos, ser fatal, até mesmo quando se trata de práticas mais comuns, como uma tatuagem. Depois de ignorar as orientações do seu tatuador, um espanhol que havia acabado de fazer um novo desenho no corpo decidiu entrar no mar e acabou morto. 

O homem, que não teve o nome divulgado, de 31 anos, foi avisado sobre a proibição de entrar no mar ou piscina antes da tatuagem completar duas semanas. Mas, mesmo assim, ele decidiu aproveitar as águas quentes do Golfo do México com apenas cinco dias depois de ter feito um desenho de uma cruz religiosa no tornozelo direito.

Ao fazer a tatuagem, o corpo é ferido, e como reação às agulhadas, o sistema imunológico inicia um processo inflamatório. Por isso, como qualquer outro machucado, o risco de inflamação e contaminação quando a ferida ainda não está cicatrizada é alto.

E foi exatamente isso que aconteceu com o hispânico. Tudo começou com relatos de febre, calafrios e uma erupção vermelha perto do desenho 24 horas após o banho de mar, segundo descreveram os médicos que o atenderam.

A situação foi piorando com o passar dos dias, e ele acabou sendo internado em um hospital, conforme afirmou o jornal britânico Daily Mail. Por conta de problemas com bebidas, o corpo não estava reagindo muito bem às medicações e seus órgãos começaram a falhar.

No entanto, duas semanas depois, mesmo com alguns hematomas roxos, ele foi liberado para casa. Mas sua recuperação estava longe de acontecer. Depois de muitas complicações, era possível ver que uma bactéria contraída no mar começou a “comer” sua carne, rasgando pedaços de sua pele.

Foi então que os especialistas constataram choque séptico, que é quando há falência do sistema circulatório aguda por infecção, geralmente provocada por bactérias, fungos e vírus. Dois meses após o ocorrido o homem morreu.

Cuidados com a pele

Outra forma de body modification, além da língua bifurcada, é a tatuagem

Outra forma de body modification, além da língua bifurcada, é a tatuagem

Foto: shutterstock/Reprodução

Especialistas concluem que não é preciso desistir da tattoo para continuar tendo uma pele saudável. Basta seguir as recomendações dos profissionais e tirar todas as dúvidas antes de marcar a pele.

A tatuadora Stéphanie Camargo explica que a tatuagem funciona como um corte, e que os cuidados devem ser os mesmos de quando se faz um machucado. “A pele fica exposta a todos os tipos de germes, por isso a gente fala para não entrar no mar, porque não é uma água limpa e com a pele ‘aberta’ a pessoa fica mais propícia a se infectar”, explica ela.

Stéphanie esclarece que a mesma regra vale para piscinas e banheiras. “Os produtos químicos usados para limpar a banheira também podem infectar”, alerta. Além disso, há o risco de contato com bactérias e vírus que podem ser trazidos por outras pessoas que usaram a banheira ou estão na piscina. O cloro também é inimigo da pele recém-tatuada.

De acordo com a tatuadora, é recomendável que a pessoa espere pelo menos um mês para entrar no mar ou piscina. “Mas isso depende da cicatrização da pessoa. Tem gente que demora mais. Quem tem problema de cicatrização precisa esperar pelo menos três meses”, conclui ela.

Outro aspecto que deve ser levado em conta após tatuar a pele é a alimentação, produtos condimentados e gordurosos estão fora do cardápio. “Carne de porco, ovo, frutos do mar, ou algo que a pessoa não está acostumada a comer é preciso evitar.”

A exposição ao sol deve ser controlada, pois pode causar inflamações na pele, ressecando a tatuagem e até criando bolhas. “No caso de grávidas e diabéticos é preciso autorização médica para tatuar” finaliza a tatuadora.

Por fim, uma higienização correta da área, o uso de pomadas cicatrizantes próprias para tatuagem, não prolongar o uso do filme plástico, não coçar ou puxar a camada feita por cima do desenho são dicas que garantem uma recuperação completa da pele sem nenhuma complicação.

Leia também: Fazer várias tatuagens pode melhorar o sistema imunológico

Tanto a língua bifurcada quanto a tatuagem são práticas realizadas pelos adeptos da body modification. 

Saúde: bem-estar, dicas de alimentação, dieta e exercícios – iG

Congresso de saúde coletiva defende política de redução de agrotóxicos

iG São Paulo

A Associação de Saúde Coletiva lançou dossiê sobre o uso de agrotóxicos; conclusão é de que projeto aprovado na Câmara “torna ainda mais oculto os efeitos dos agrotóxicos sobre a saúde coletiva e sobre o meio ambiente”

Congresso de saúde coletiva defende redução de agrotóxicos nos alimentos consumidos no Brasil

Congresso de saúde coletiva defende redução de agrotóxicos nos alimentos consumidos no Brasil

Foto: Agência Brasil

A Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) lançou neste sábado (28), durante a 12ª edição do congresso da entidade, um dossiê atualizado sobre o uso e a redução de agrotóxicos no país.

Leia também: Comissão da Câmara aprova relatório que facilita uso de agrotóxicos

O “Dossiê Científico e Técnico contra o Projeto de Lei do Veneno (PL 6.299/2002) e a favor da proposta que institui a Política Nacional de Redução de Agrotóxicos (Pnara)” foi produzido pela Abrasco e pela Associação Brasileira de Agroecologia (ABA), em meio às discussões sobre o projeto aprovado na comissão especial da Câmara dos Deputados no dia 26 de junho.

De acordo com o vice-presidente da ABA, Paulo Petersen, o dossiê reúne documentos relacionados aos dois projetos. “Compilamos um conjunto de manifestações de instituições acadêmicas e públicas, da sociedade civil e internacionais, como a ONU, e fizemos um comentário geral. Ele referenda, a partir de organizações científicas, manifestações científicas, mas que estão influenciando a arena política”.

Conforme Paulo Petersen, o chamado PL do Agrotóxico muda a legislação anterior, de 1989, tirando as possibilidades de regulação pública na área de liberação de novos produtos e na identificação e comunicação, “de modo a tornar ainda mais oculto os efeitos dos agrotóxicos sobre a saúde coletiva e sobre o meio ambiente”.

Pelo projeto, a liberação de novos agrotóxicos deixaria de passar pela Anvisa, Ministério da Saúde e Ibama, que avaliam os riscos à saúde ambiental e à saúde pública, e passaria a ter uma predominância do Ministério da Agricultura, que tem uma perspectiva muito mais econômica. Também substitui o termo “agrotóxico” por “pesticida” ou “defensivos agrícolas”.

“O princípio da precaução, que deve prevalecer no uso do conhecimento científico para liberação de produtos e certas tecnologias sobre a natureza, vai sendo comprometido. Na verdade, é um grande desmonte da uma legislação anterior que está funcionando e é uma referência internacional. O discurso de que estamos modernizando, desburocratizando, vai na contramão de toda uma discussão na sociedade, na academia e no mundo”.

Leia também: Agrotóxicos, depressão e dívidas criam ‘bomba-relógio’ de suicídios no RS

O dossiê contém manifestações contrárias à flexibilização no uso dos agrotóxicos de instituições como o Instituto Nacional do Câncer (Inca), Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO).

Pesquisador da Abrasco e professor da Escola Nacional de Saúde Pública da Fiocruz, Marcelo Firpo afirmou que a discussão deve ser feita em torno do que é realmente relevante para o país.

“Sem dúvida, o progresso econômico, o desenvolvimento da economia, o pagamento das dívidas públicas e a redução do déficit da balança comercial são relevantes. Mas qual é o preço disso diante da morte e da doença de crianças, jovens, adultos, velhos e trabalhadores, que morrem em função de substâncias perigosa?”, questionou Firpo.

Segundo ele, as mudanças propostas na regulamentação revertem os avanços na redução de agrotóxicos, representando um retrocesso no processo civilizatório, na garantia da saúde e da vida dos cidadãos. “É preciso esclarecer a sociedade o valor e os efeitos para a vida das pessoas, das famílias e para o sistema de saúde em decorrência do uso excessivo e que tornou o Brasil o maior consumidor mundial de agrotóxicos”, acrescentou.

* Com informações da Agência Brasil

Leia também: Epidemia?Alto índice de agricultores com câncer põe agrotóxicos em xeque

Saúde: bem-estar, dicas de alimentação, dieta e exercícios – iG

Venezuelana está internada com meningite em Roraima; estado é grave

iG São Paulo

Paciente está na UTI e respira com ajuda de aparelhos; esse é nono caso da doença no estado, de acordo com a Secretaria de Saúde de Roraima

Reprodução em 3D de meningococos%2C bactérias responsáveis por causar meningite

Reprodução em 3D de meningococos%2C bactérias responsáveis por causar meningite

Foto: shutterstock

Foi registrado, nesta semana, um caso de meningite em Roraima. Uma mulher venezuelana de 32 anos foi internada no Hospital Geral de Roraima, em Boa Vista, com diagnóstico de meningite bacteriana. De acordo com a Secretaria de Saúde do estado, a paciente, da cidade de Santa Helena de Uairén, procurou a unidade de saúde no último sábado (7).

Leia também: Colégio em Brasília registra caso de meningite e mobiliza colegas e professores

Este é o nono caso confirmado de meningite em Roraima. “O caso é isolado e não há risco de contágio da doença. A paciente está internada na UTI [unidade de terapia intensiva], respira com ajuda de aparelhos e está sendo medicada com antibióticos”, informou a pasta por meio de comunicado. O estado de saúde dela é considerado grave”, informou a pasta por meio de comunicado.

A doença, segundo a secretaria, foi desenvolvida a partir de uma infecção no ouvido que acabou afetando o sistema nervoso, causando a meningite. Em entrevista coletiva, o médico infectologista Mauro Asato, coordenador da UTI do hospital, destacou que não se trata de meningite meningocócica e, portanto, não há risco de transmissão.

Leia também: Entenda porque é importante ter a vacina contra meningite em dia

Casos suspeitos de meningite em Roraima

De acordo com o Núcleo de Controle da Coqueluche, Meningite e Difteria de Roraima, até junho, foram notificados oito casos suspeitos de meningite no estado. Destes, três foram confirmados, quatro foram descartados e um ainda está sob investigação.

Em 2017, foram notificados 36 casos suspeitos de meningite no estado. Destes, 23 foram confirmados – dois em venezuelanos. Já em 2016, foram notificados 51 casos suspeitos de meningite. Destes, 14 foram confirmados, sendo três em venezuelanos.

Sarampo na região

O estado também vive um surto de sarampo há quatro meses. Desde então, foi iniciada uma campanha de vacinação contra a doença, mas, mesmo assim, o número de casos da infecção saltou de 8 para 200, o que implica em um aumento de 2.200%, conforme informou a Secretaria Estadual de Saúde (Sesau).

Em março, a capital Boa Vista precisou decretar situação de emergência e, desde então, duas mortes foram confirmadas no estado, de acordo com Ministério da Saúde.

Segundo a prefeitura de Boa Vista, nos últimos meses, 84 casos de sarampo foram notificados, sendo 57 em abril, 24 em maio e apenas 9 em junho. O balanço de julho ainda não foi divulgado, assim como o balanço de casos de meningite em Roraima do mesmo mês. 

*Com informações da Agência Brasil

Saúde: bem-estar, dicas de alimentação, dieta e exercícios – iG

10 formas naturais de cuidar da sua pele

Por: Mark Sisson

Tome um tempo lendo as prateleiras de seu supermercado local ou loja de produtos de beleza e você poderá notar que todos os produtos cosméticos têm algo em comum: uma longa lista de ingredientes. Tenho medo de dizer que a maioria dos frascos e tubos comercialmente embalados contêm ingredientes potencialmente prejudiciais na forma de conservantes, derivados de petróleo, estabilizadores, corantes artificiais e/ ou fragrâncias adicionadas, que podem ter efeitos negativos a longo prazo sobre a saúde quando absorvidos pela pele.

Felizmente, existem muitas opções muito melhores e naturais de cuidados com a pele que não apenas fornecem melhores resultados, mas geralmente custam uma fração do que você pagaria pela versão comprada na loja. Além de tomar colágeno todos os dias, evitar exposição ao sol forte sem protetor solar e uma dieta baixa em carboidratos e rica em gorduras, aqui estão 10 soluções de cuidados da pele apoiados por pesquisas e minha própria experiência.

1. Esfregue a pele com sal marinho

 

O sal marinho é um dos melhores esfoliantes naturais (remove as células mortas da pele), e as chances são boas de que ele já esteja escondido em seu armário de cozinha. Enquanto na maioria das vezes podemos deixar a natureza seguir seu curso, de vez em quando podemos esfoliar como um meio de remover camadas de células mortas da pele quando nossa pele está coçando e escamosa ou para estimular a renovação das células da pele para uma aparência mais fresca. O sal marinho também é cheio de nutrientes encontrados na água do mar – e em nossos corpos – incluindo cálcio, magnésio e potássio. Combine sal marinho com mel cru ou óleo de coco e esfregue suavemente na sua pele. Só não se esqueça de verificar a textura do sal antes de usá-lo em seu rosto: o sal deve ser suave, sem bordas ásperas. Você quer remover gentilmente essa camada de células mortas da pele.

2. Use mel cru

 

O mel cru é amplamente reconhecido por suas propriedades antimicrobianas, e tem sido usado como um tratamento natural para feridas e queimaduras. Este doce néctar dourado contém uma variedade de proteínas, aminoácidos, vitaminas, enzimas e minerais, que trabalham em conjunto para acelerar o processo de cura. Depois de limpar a pele, aplique uma camada de mel diretamente nas cicatrizes, cortes e queimaduras. Certifique-se de escolher o mel cru e não processado.

3. Hidrate com óleo de abacate

 

Óleo de abacate puro é um grande substituto para cremes e loções comerciais, que geralmente são carregados com ingredientes questionáveis ​​que você mal consegue pronunciar. Não há segredo sobre o que você está recebendo em uma garrafa de óleo de abacate: Óleo puro e gorduroso, que é exatamente o que você precisa para dar energia as células. Está repleto de nutrientes benéficos para a pele, como carotenóides, gordura saudável e vitaminas liposolúveis A, D e E. Juntos, esses nutrientes podem aumentar a produção de colágeno, enfraquecer manchas de idade, acalmar a inflamação e tratar queimaduras solares. Coloque algumas gotas na sua mão e trabalhe na pele limpa e seca. (A propósito, isso faz parte da minha rotina diária pessoal)

4. Limpe a pele com vinagre de maçã

 

O vinagre de maçã é uma potente solução antifúngica que é especialmente útil para a prevenção da acne. Para fazê-lo, os produtores fermentam a cidra para que os açúcares se transformem em álcool, e fermentem novamente para que o álcool se transforme em ácido acético. É este ácido acético, bem como o ácido láctico, ácido cítrico e ácido succínico, que faz com que o vinagre de maçã seja um limpador eficaz. Alguns estudos mostraram que estes ácidos podem prevenir o crescimento de bactérias causadoras de acne. Mergulhe uma bola de algodão em vinagre de maçã e use-a como um tonalizador facial de manhã e à noite.

5. Trate a acne com o óleo da árvore do chá

 

Em um recente estudo piloto publicado no Australasian Journal of Dermatology, os pesquisadores descobriram que um tratamento com gel de óleo de melaleuca foi mais eficaz em melhorar a acne leve a moderada do que em uma lavagem facial. Você pode encontrar um limpador de óleo de árvore do chá pré-fabricados ou fazer o seu próprio, adicionando algumas gotas de óleo essencial da árvore do chá puro ao mel. Em geral, o óleo da árvore do chá é bem tolerado, mas pode causar descamação e ressecamento para algumas pessoas.

6. Reduza a vermelhidão com aloe vera

 

Para queimar as queimaduras solares, combater a inflamação e moderar a coceira, não procure mais do que o aloe vera. Esta planta tropical contém uma série de ingredientes bons para você, incluindo vitaminas, minerais, ácidos graxos e enzimas. Além disso, o aloe demonstrou ter efeitos antimicrobianos, tornando-o a terapia natural ideal para a cura da pele. Procure por aloe gel com pelo menos 97,5% de aloe (ou mantenha sua própria coleção de plantas de aloe em sua casa ou jardim).

7. Hidrate com manteiga de karité

 

Não é segredo: a manteiga de karité suaviza a pele seca como nenhuma outra. Essa substância gordurosa – repleta de ácidos esteárico, palmítico, linoléico e oléico, bem como vitaminas E e A – já foi incorporada em cremes e loções comerciais. Como a maioria das coisas, no entanto, a manteiga de carité é melhor quando usada em sua forma mais pura e crua, então procure manteiga de karité não refinada. Pode ser usado como está ou misturado com óleos essenciais. Basta ter em mente que aqueles com alergia a nozes devem evitar a manteiga de carité. Um bônus adicional: um estudo no American Journal of Life Sciences sugere que a manteiga de karité também pode aumentar a produção de colágeno.

8. Remover maquiagem com óleo de jojoba

 

Troque os removedores de maquiagem comercial – que geralmente contêm produtos químicos agressivos – com uma opção mais saudável: o óleo de jojoba. Você pode até usar óleo de jojoba para limpar a maquiagem dos olhos. Não é apenas seguro usar em peles sensíveis, incluindo a área dos olhos, mas é hidratante. Aplique óleo de jojoba em um pano ou bola de algodão e use-o para limpar suavemente a maquiagem e as bactérias.

9. Óleo de Coco

 

Loções e cremes de barbear comerciais muitas vezes ficam aquém de sua promessa de proteger a pele da irritação e da queimadura. Uma camada de óleo de coco muito boa pode ser usada para evitar a irritação e queimadura na hora de barbear – além disso, tem um cheiro incrível! Graças ao seu baixo peso molecular e capacidade de se ligar às proteínas, o óleo de coco pode afundar-se mais profundamente na pele do que outros óleos. Coloque uma pequena quantidade na palma da mão para aquecê-la e aplique diretamente na área a ser raspada.

10. Proteja a pele com óleo essencial de limão

 

O óleo de limão, como outros óleos cítricos, possui poderosas propriedades antioxidantes (e um aroma fresco e energizante). Um composto natural em óleo essencial de limão, em particular, foi mostrado para ser capaz de proteger a pele contra os efeitos do envelhecimento dos danos dos radicais livres. Óleo essencial de limão pode até mesmo desaparecer cicatrizes e manchas da idade. Diluir com segurança para o uso diário, misturando algumas gotas de óleo essencial de limão com uma base simples, como óleo de jojoba ou abacate, para ai então massagear sua pele.

Aqui estão dez opções para você tentar. Compartilhe suas recomendações nos comentários abaixo e obrigado pela leitura.

O post 10 formas naturais de cuidar da sua pele apareceu primeiro em Primal Brasil.

Primal Brasil

Jejum vs dieta low-carb: Qual é mais vantajoso e em quais situações.

Por: Mark Sisson

Tanto o jejum quanto a restrição de carboidratos parecem operar ao longo de vias fisiológicas semelhantes. Ambos reduzem os carboidratos. Ambos aumentam a adaptação à queima de gordura. Ambos têm o potencial de levar você à cetose, tanto quanto reduzem a insulina e o açúcar no sangue.

Mas é um melhor que o outro? Há certos cenários em que um protocolo de jejum intermitente funciona melhor do que uma dieta baixa em carboidratos e vice-versa?

Vamos descobrir se a distinção é importante.

E quais cenários são mais afetados por qualquer diferença.

Perda de peso

 

Cetonas, autofagia, declínio cognitivo. A razão número um para que alguém querer tentar uma dieta com restrição de carboidratos ou um jejum intermitente é perder gordura corporal. Nós todos sabemos que é verdade.

Restrição de carboidratos funciona bem. Isso é bem documentado. Claro, os resultados ficam um pouco confusos se você usar dietas de “baixo carboidrato” com 35-40% de calorias de carboidratos ou aplicar dietas de controle de calorias semelhantes entre as dietas, mas em estudos de dieta ad libitum legítimos onde as pessoas são livres para comer o que eles querem, os indivíduos reduzam espontaneamente as calorias e perdem gordura corporal mais rápido do que com outras dietas.

O jejum intermitente também mostrou funcionar. Em pacientes não obesos, o jejum em dias alternados aumentou a oxidação de gordura e a perda de peso. Em pacientes obesos, o jejum em dias alternados (dia sim dia não) foi uma maneira eficaz de perder peso; a adesão dietética permaneceu alta durante todo o tempo. Em mulheres jovens com sobrepeso, o jejum em dias alternados foi tão eficaz quanto a restrição calórica em causar perda de peso, e a adesão ao primeiro foi mais fácil do que para o último.

Jejum intermitente e restrição de carboidratos são caminhos para uma restrição calórica fácil. O jejum remove a possibilidade de comer completamente. A restrição de carboidratos remove o macronutriente menos saciantes e aumenta os macronutrientes mais saciantes. Ambas as dietas aumentam a queima de gordura e, desde que você consuma proteínas adequadas e continue puxando peso na academia, há preservação da massa magra.

O truque é a sustentabilidade: se o jejum deixar você com uma fome insaciável, isso provavelmente não ajudará a perder peso. Curiosamente, acho que a restrição básica de carboidratos ajuda a maioria das pessoas e é a mais bem tolerada, pelo menos até a pessoa se acostumar com o jejum.

Diabetes tipo 2

 

Você acabou de voltar do médico e você descobriu que tem diabetes tipo 2. Ou talvez você tenha “pré-diabetes”. Talvez você ainda não tenha ido ao médico, mas ao acompanhar seu nível de açúcar no sangue em casa você descobre alguns altos números pós-prandiais (pós recefições). Ou talvez você tenha um forte histórico familiar de diabetes e esteja tentando evitar que isso se manifeste em você. Seja qual for o motivo, você sabe que precisa fazer uma mudança na dieta.

Em primeiro lugar, a diabetes do tipo 2 é um tipo de “intolerância aos carboidratos”.

Sete sujeitos com diabetes tipo 2 não tratado jejuaram por 3 dias ou ficaram sem carbos por 3 dias. O que aconteceu no dia 3?

  • A glicemia de jejum de um dia para o outro passou de 196 para 160 (em zero carboidrato) e 127 (em jejum).
  • A glicose de 24 horas caiu 35% (zero carboidrato) e 49% (jejum).
  • A insulina de 24 horas caiu 48% (zero carboidrato) e 69% (jejum).

Ambas as abordagens funcionaram. O jejum funcionou melhor, mas você não pode continuar jejuando indefinidamente. Em algum momento, você precisa comer alguma coisa, então que seja low-carb.

Um estudo muito recente acaba de sair sobre o efeito da alimentação com restrição de tempo (um tipo de Jejum intermitente) em pré-diabetes. Isso também é conhecido como uma janela de alimentação comprimida. A janela de comer comprimida neste estudo tinha seis horas de duração e era da manhã até a metade da tarde. Eles tomaram o café da manhã, omitiram o jantar. O que aconteceu?

O jejum intermitente melhorou a sensibilidade à insulina, diminuíu a insulina em jejum, aumentou a função das células beta pancreáticas e os participantes relataram sentir menos fome à noite. Eles tiveram melhor pressão arterial e menor estresse oxidativo. O mais notável é que conseguiram tudo isso, apesar de não perderem muito peso. Em estudos prévios de jejum intermitente, a maioria dos quais não incluíam jejum diário, os benefícios para as pessoas com diabetes ou pré-diabetes eram quase sempre dependentes da perda de peso.

A hora do dia em que o jejum ocorre é bastante relevante. Pular o café da manhã pode não ter o mesmo efeito que pular o jantar. Se você usa o JI para tratar o alto nível de açúcar no sangue, pré-diabetes ou diabetes tipo 2, certifique-se de acompanhar seus resultados e de tentar o jejum durante diferentes partes do dia.

Performance cognitiva

 

Um efeito pouco conhecido de não comer é que pode melhorar nossa função cognitiva graças à grelina. A maioria das pessoas conhece a grelina como hormônio da fome. Isso faz você querer comer. Mas a grelina tem outros efeitos interessantes:

É neurotrófico, melhorando o aprendizado e a memória.

Aumenta a resposta da dopamina, aumentando potencialmente a recompensa do cumprimento das metas.

Isso faz sentido quando você pensa sobre o ambiente em que o nosso sistema de grelina evoluiu. Hoje, a fome significa arrastar-se para a geladeira para um lanche, significa encomendar um I-food no conforto do seu smartphone para ser entregue à sua porta. O grelina não precisa fazer muito, mas nos deixa com fome. Durante a maior parte da história da humanidade, a fome significava que você teria de se arrastar pelo deserto e caçar, tendo o cuidado de não pisar em nenhum galho ou fazer movimentos bruscos, seguindo os rastros de sua presa. Você precisava ser astuto, alerta, pronto e preparado para tudo e qualquer coisa. É claro que o hormônio que nos faz querer comer também nos torna melhores em pensar e agir.

Low-carb não tem o mesmo efeito. Por um lado, você está comendo. A maior resposta de grelina virá de não comer. Duas refeições com pouco carboidrato são redutores de grelina maiores do que as refeições com alto teor de carboidratos. Isso provavelmente explica por low-carb é uma maneira tão eficaz para reduzir a fome. Isso não faz  da restrição de carboidratos ruim para a função cognitiva. Tornar-se um queimador de gordura melhor, gerar corpos cetônicos e não precisar de lanche a cada 3 horas ou perder o vapor cognitivo são ótimas maneiras de melhorar a produção e a produtividade. Significa apenas que você não verá os mesmos efeitos agudos de um pico de grelina que você veria em jejum

O post Jejum vs dieta low-carb: Qual é mais vantajoso e em quais situações. apareceu primeiro em Primal Brasil.

Primal Brasil