OMS alerta sobre envelhecimento da população

A OMS (Organização Mundial da Saúde) divulgou n semana do dia 28/09/2015 o relatório Mundial sobre o envelhecimento da população. A organização revela que o número de pessoas com 60 anos no mundo dobrará até 2050. Nos próximos 35 anos haverá 64 milhões de pessoas, ou seja, 30% da população do planeta terá mais de 60 anos. No Brasil, a situação não será diferente, já que temos atualmente 23 milhões de idosos, o que representa cerca de 12% da população. Em tese, em poucos anos seremos uma nação de idosos (classificação dada aos países com mais de 14% da população constituída por pessoas da terceira idade).

Veja mais
– Para retardar o envelhecimento

Assista
– Idosos e atividade física

Para se ter uma ideia, uma criança nascida hoje no Brasil vai viver 20 anos mais do que as que nasceram há cinco décadas. A questão é: o Brasil está preparado? Segundo Alexandre Kalache, presidente do Centro Internacional para Longevidade Brasil e membro da Rede Global de Cidades e Comunidades Amigáveis aos Idosos da OMS, o país está envelhecendo antes de se tornar rico, e isso é um problema.

Na verdade, enquanto países como o Canadá, que têm a metade do número de idosos do Brasil, já estão com políticas públicas e de infraestrutura preparadas, aqui o processo ainda está caminhando e com muitos gargalos estruturais. “O Brasil está entrando num buraco sem fundo. Atualmente, a expectativa de vida da população é de 75 anos. Entretanto, sabemos que os últimos 10 anos, na maioria das vezes, são vividos de maneira muito precária por conta de enfermidades. O idoso não se torna autossuficiente. Doenças crônicas, como diabetes e hipertensão, que são as grandes causas de morte na terceira idade, começam a dar sinais cedo e poderiam ser controladas. A falta de informação, acesso a dietas mais saudáveis e colocar atividade física como prioridade influenciam diretamente nessa questão. Por isso a necessidade da prevenção. As consequências, portanto, são péssimas, já que teremos idosos doentes. O resultado é que o país terá que destinar verbas de outros setores para a saúde”, esclarece.

O documento da OMS explica que, enquanto algumas pessoas estão de fato vivendo mais e mais saudáveis, elas geralmente pertencem a classes mais ricas da sociedade. O chefe do departamento de Idosos da OMS, John Beard, afirmou que “as pessoas dos países mais pobres e com menos oportunidades e recursos são as que apresentam as condições de saúde mais frágeis”.

No relatório, eles destacam algumas medidas fundamentais para que os países não sejam surpreendidos pela demanda de idosos, como desenvolver sistemas de cuidados de longo prazo — que devem ser iniciados antes de a pessoa idosa perder alguma de suas capacidades, e não quando o processo de degradação da saúde já está ativado, além de um alinhamento real dos sistemas de saúde às necessidades das pessoas mais velhas.

Siga o  Site Drauzio Varella no instagram: @sitedrauziovarella

The post OMS alerta sobre envelhecimento da população appeared first on Dr. Drauzio Varella.

Dr. Drauzio Varella

O câncer de mama pode ser hereditário?

Conforme os dados divulgados pelo Instituto Nacional do Câncer do Brasil (INCA), em 2015, a estimativa é que surjam 57.000 novos casos de câncer de mama em mulheres, no nosso país. A doença apresenta baixa incidência nas mulheres com menos de 40 anos de idade, mas há aumento relativo e progressivo no número de casos a partir dos 41 anos de idade.

Considerada a população de modo geral, a projeção é que cerca de 12% das mulheres desenvolverão câncer de mama na vida.

Em relação ao câncer de ovário, segundo o INCA, a estimativa para o ano de 2014 foi de 5.680 novos casos. Portanto, cerca de 1,3% das mulheres  desenvolverão esse tipo de câncer na vida.

O diagnóstico precoce está ligado ao melhor índice para a cura da doença. Ele pode ser feito pelo autoexame das mamas, pelo exame realizado pelo mastologista e/ou ginecologista e pelos exames de imagens (mamografia e/ou ultrassonografia de mamas e ovários e/ou ressonância nuclear magnética). Os exames de laboratório, chamados marcadores tumorais (Ca15.3 e Ca125), não servem para o diagnóstico, mas são úteis para o acompanhamento da paciente na  vigência do tratamento.

Leia também: Câncer de mama familiar
L
eia também: O risco de câncer de mama

O autoexame das mamas deve ser feito a partir dos 20 anos de idade e também durante a gravidez, a amamentação e a menopausa. Preferencialmente durante o banho, com movimentos circulares e delicados, a mulher deve examinar as mamas e as axilas e, ao final, espremer os mamilos suavemente para observar a saída eventual de alguma secreção anômala.

Estudos genéticos nos permitem identificar alvos nas células tumorais que indicam os tratamentos mais precisos e mais individualizados para determinada anomalia tumoral. A alteração genética não necessariamente provocará o aparecimento de uma doença, que, no entanto, poderá surgir na presença de fatores de risco provenientes do ambiente, como clima, alimentação, hábitos de vida, etc.

A alteração genética pode também fornecer a informação necessária para cuidados especiais mais específicos. O estudo do DNA poderá mostrar em qual gene está o defeito e em que local do cromossoma. O alto custo financeiro desse sequenciamento completo de genes para determinar as mutações pode ser um fator limitante para a sua obtenção, embora seu custo-benefício deva ser priorizado.  Atualmente, os planos de seguro-saúde oferecem esses exames gratuitamente, desde que sejam bem indicados e justificados.

É possível, ainda, haver associação do câncer de mama com o câncer de ovário nos casos hereditários. Isso permite avaliar as mutações ocorridas nos genes BRCA1 e BRCA2, que indica maior probabilidade da doença de mama e ovário em 25% dos casos.

Entretanto, o resultado negativo dessa pesquisa não demonstra a ausência de riscos genéticos, porque poderão estar localizados em outros locais do DNA.

O BRCA1 e o BRCA2 são genes que produzem proteínas supressoras de tumor e que codificam as proteínas que funcionam no processo de reparação do DNA. Sua mutação é que está correlacionada com o aparecimento do câncer.

Cerca de 55% a 65% das mulheres com  a mutação no BRCA1 e 45% das mulheres com a mutação no BRCA2 desenvolverão câncer de mama até os 70 anos de idade. Nas mulheres mais jovens (com menos de 40 anos) com mutação no BRCA1, é comum a associação a um câncer triplo negativo (receptores de estrógeno e progesterona negativos e baixa expressão da proteína HER2/neu), o que indica, em princípio, pior prognóstico. No entanto, só 15% dos casos triplos negativos estão associados ao BRCA1.

Em relação ao câncer de ovário, 39% das mulheres com a mutação no BRCA1 e de 11% a 17% das mulheres com a mutação no BRCA2 desenvolverão esse tipo de câncer até os 70 anos de idade.

Deve-se salientar que esses riscos estão associados a mutações nesses genes, e que podem variar de acordo com a história familiar, com diferentes mutações genéticas e com outros fatores de risco, por exemplo, sua história reprodutiva.

Outros tipos de câncer podem estar associados a essas mutações. Nas mulheres, mutações no BRCA1 podem aumentar o risco de câncer nas trompas de Falópio e câncer de peritônio. Homens com mutações no BRCA2 e em menor número no BRCA1 correm risco maior de câncer de mama (em 7% desses indivíduos poderá surgir o câncer de mama) e também risco maior de câncer de próstata, quando as mutações estão presentes no BRCA1 ou BRCA2.

Homens e mulheres com essas mutações podem ter risco aumentado para o câncer de pâncreas.

O exame genético pode ser feito em qualquer idade nas pacientes com câncer de mama e/ou ovário quando houver :

– pelo menos três parentes próximos (mãe, irmã e filhas) que desenvolveram câncer de mama e/ou ovário;

– duas pessoas com essa(s) doença(s) do mesmo lado da família (do pai ou da mãe), uma delas com menos de 50 anos de idade;

* parente de primeiro ou segundo grau que apresentou câncer de mama ou ovário com idade abaixo dos 40 anos de idade;

* câncer em ambas as mamas na mesma mulher;

* câncer de mama e ovário na mesma mulher ou na mesma família;

*  múltiplos cânceres de mama na mesma mulher;

* dois ou mais membros da mesma família com câncer e com BRCA1 ou BRCA2 mutados;

* casos de câncer de mama em homem da mesma família;

* etnia judia Ashkenazi.

As sociedades médicas não recomendam que crianças façam o teste genético para o BRCA1 e BRCA2, mesmo que haja história familiar sugestiva, porque o risco de a criança desenvolver o câncer associado a essa anomalia é muito baixo. Quando adultas, elas poderão optar por fazer ou não a pesquisa genética.

Os genes BRCA1 e BRCA2 estão envolvidos no reparo do DNA e alguns pesquisadores têm sugerido que as células cancerosas com essas mutações podem ser mais sensíveis aos agentes antineoplásicos que atuam diretamente no DNA, como a cisplatina.

Se o resultado dos exames indicar a presença de mutações nos genes BRCA1 e BRCA2, a paciente deverá ser esclarecida sobre o quadro e, dependendo da sua opção, o médico poderá adotar uma conduta de observação e realização de exames clínicos e de imagens  com a frequência indicada para aquela mutação gênica ou, então, a cirurgia profilática na mama e ovários. Chama-se cirurgia profilática aquela que é realizada sem que haja a comprovação do câncer nem na mama nem nos ovários.

 

 

The post O câncer de mama pode ser hereditário? appeared first on Dr. Drauzio Varella.

Dr. Drauzio Varella

Sim, nós precisamos de carboidratos

É comum escutarmos: “corta o carboidrato” como se “o carboidrato” fosse um monstro. Gente, calma! Nós precisamos sim de hidrato de carbono na nossa alimentação diária. Os carboidratos proporcionam a energia que o nosso corpo precisa para fazer tudo que nós temos para fazer num dia normal, corre corre para trabalhar, estudar, estar com os amigos, família, amar, cuidar da casa, cuidar das crianças, passear com o cachorro, dançar, tudo!

Se  o nosso organismo não recebe a quantidade de carboidrato diária que ele precisa, ele vai buscar a energia em outras fontes, como por exemplo nas proteínas. Acontece que o corpo precisa da energia das proteínas para outras coisas, e aí tudo começa a ficar confuso!

Os carboidratos são combustíveis para nós, e na alimentação como em tudo na vida, é preciso fazer escolhas. Vamos entender um pouco o porque da má fama dos carboidratos e quais as melhores escolhas que podemos fazer na hora de nos abastecermos com carboidratos.

Por que os carboidratos têm má fama?

A má fama vem da escolha das fontes de carboidratos erradas e do excesso. E acredite, uma coisa leva à outra. Ah, e antes que você pergunte: sim, o carboidrato engorda, mas principalmente o carboidrato simples, que muitas vezes ainda vem acompanhado de gordura saturada, sódio, e quase zero fibras e nutrientes.

É importante saber que não há “o carboidrato”, mas sim “carboidratos” e nem todos são iguais. Tudo depende do tipo de carboidrato que você vai consumir e como.

Que carboidratos devo comer?

Nós sabemos que os carboidratos simples, como açúcar branco refinado ou alimentos processados e bebidas açucaradas, podem ser rapidamente digeridos e são pobres em nutrientes e fibras. Em geral, o consumo desse tipo de carboidrato, dá um pico de açúcar no sangue sem que haja um alto gasto de energia em seguida. Por isso, o melhor é buscar sempre ingerir carboidratos complexos, que levam mais tempo para serem absorvidos e nos dão uma carga mais sustentável de energia, além de serem mais ricos em fibras e nutrientes.

Escolha comer o carboidrato dos grãos e farinhas integrais em vez de farinhas brancas e grãos processados, assim além de mais energia para o seu corpo, você também tem uma alimentação mais rica e tem mais saciedade.

As fibras também são classificadas como hidratos de carbono e são encontradas, principalmente, em alimentos de origem vegetal. Para ficar mais fácil, os vegetais mais ricos em carboidratos são as raízes, como cenoura, batata, mandioca, nabo, etc.

Os carboidratos são maravilhosos transportadores de sabores, a nossa vida e o nosso paladar sem dúvida ficariam mais pobres sem eles! Não tenha medo dos carboidratos. Apenas lembre-se: a escolha é sua, você controla a sua alimentação.

Beijos,

Carol

*Fonte: Celebrating the Good Carbohydrates, Jamie Oliver.

O post Sim, nós precisamos de carboidratos apareceu primeiro em Fale com a Nutricionista.

Fale com a Nutricionista

Por que ficamos doentes

Por Chirs Kresser

Se você tiver um dos muitos problemas crônicos de saúde dos quais as pessoas sofrem hoje em dia, tais como IBS, fibromialgia, fadiga crônica, doenças autoimunes, você provavelmente receberá uma droga para gerenciar seus sintomas e não muito mais. A chave para o tratamento com sucesso destas condições, no entanto, está em tratar a causa subjacente. Esta é a promessa da medicina funcional e evolutiva.

planta

Estamos no meio da mais grave epidemia humana de doenças crônicas que já enfrentamos. Metade dos adultos americanos têm uma ou mais condições crônicas de saúde, e 25 por cento têm duas ou mais destas doenças. 7 das 10 principais causas de morte em 2010 foram doenças crônicas, e duas delas, as doenças de coração e câncer juntas, foram responsáveis ​​por quase metade de todas as mortes. (2)

Embora alguns destes problemas (como doenças cardíacas) sejam razoavelmente bem entendidos pela medicina convencional, outros são mais misteriosos. Condições como a síndrome do intestino Irritável (SII), fadiga crônica, fibromialgia e doenças autoimunes, em conjunto, afetam centenas de milhões de pessoas ao redor do mundo, mas na maioria dos casos os pacientes são informados de que as causas de suas condições são desconhecidas e simplesmente prescrevem drogas para gerir os sintomas.

Mas é realmente verdade que nós não sabemos o que causa as doenças crônicas? Certamente existem elementos relativos a cada doença específica que nós ainda não entendemos. Mas eu diria que nós, de fato, temos uma compreensão sólida sobre os fatores mais importantes que contribuem para praticamente todas as doenças crônicas. Isso significa que atualmente podemos impedir e até mesmo reverter muitas dessas condições.

O Modelo Funcional de Sistemas de Medicina

 

Como muitos de vocês sabem, eu vou lançar um programa de treinamento de medicina funcional para os clínicos ainda neste ano. Na preparação para esse programa, eu criei uma “teoria unificada” do que causa a doença que eu chamo de Modelo Funcional de Sistemas de Medicina. Eu gostaria de compartilhar isso com vocês aqui e usá-lo como um trampolim para a nossa discussão.

círculo

Como o diagrama mostra, a interação entre o genoma, epigenoma, e exposome de um indivíduo está no cerne do que determina a nossa saúde.

O genoma é o nosso conjunto completo de DNA, contendo todas as informações necessárias para construir e manter o organismo humano.

 O epigenoma é composto de produtos químicos que modificam o genoma de uma forma que lhe diz o que fazer, onde fazer e quando fazer. Estas modificações não alteram os genes subjacentes, mas eles podem ser transmitidos às gerações futuras.

O exposome representa a soma total de todas as exposições não genéticas que um indivíduo experimenta desde o momento da sua concepção até o final de sua vida. Ele inclui os alimentos que ingerimos, a água que bebemos, o ar que respiramos, os produtos químicos que estamos expostos, as conexões sociais que temos, e o ambiente em que vivemos.

Você sabia que 8 causas subjacentes são a raiz da maioria das doenças crônicas?

 

Para usar uma analogia, o genoma é como um piano; o epigenoma é como a partitura; e o exposome é o que determina a forma como a música é escrita e executada. A qualidade do piano certamente irá afetar o som que produz. Mas o melhor piano do mundo ainda vai soar terrível se a música e performance forem terríveis. Da mesma forma, um pianista virtuoso pode executar uma peça de Mozart, mas não vai produzir o seu melhor tocando um piano de má qualidade.

Da mesma forma, a genética desempenha um papel importante na saúde e na doença humana. No entanto, agora sabemos que o exposome (e sua influência sobre o epigenoma) é muito mais significativa na maioria dos casos. Na verdade, é responsável por mais de 90% das doenças humanas. É por isso que o exposome está no cerne do Modelo Funcional de Sistemas de Medicina e deve sempre ser o primeiro a ser tratado independentemente da queixa do paciente.

A dieta, o estilo de vida e o ambiente moderno afetam a expressão dos nossos genes e levam a patologias, que por  vezes causam a doença e os sintomas dos pacientes.

Mas quais são essas patologias?

As 8 patologias centrais que fundamentam todas as doenças crônicas

Eu acredito que praticamente todas as doenças e sintomas que experimentamos são causadas por uma ou mais das seguintes 8 patologias principais:

  1. Disfunção intestinal. Inclui supercrescimento bacteriano intestinal (SIBO), infecções (por exemplo, parasitas, bactérias patogênicas, vírus), baixa acidez estomacal, bile e produção de enzimas, a permeabilidade intestinal, e intolerâncias alimentares.
  1. Desequilíbrio de nutrientes. Inclui deficiências de nutrientes como vitamina B12, ferro, folato, magnésio, zinco, EPA / DHA e vitaminas lipossolúveis (mais comuns), e excesso de nutrientes como o ferro (menos comum).
  1. Desequilíbrio do eixo HPA. O eixo pituitário adrenal regula a comunicação entre o hipotálamo, glândula pituitária e suprarrenais e equilíbrio da produção de hormônios associados com essas glândulas (por exemplo, DHEA, cortisol)
  1. Carga tóxica. Inclui exposição a produtos químicos (por exemplo, BPA, fitatos, etc.), metais pesados ​ (por exemplo, mercúrio, arsênico), biotoxinas (por exemplo, o mofo/micotoxinas), ou capacidade de desintoxicação prejudicada devido a deficiência de nutrientes, problemas gastrointestinais ou outras causas.
  1. As infecções crônicas. Inclui infecções por organismos transmitidas por carraças (por exemplo, Borrelia, Babesia, Bartonella, Erlichia), bactérias intracelulares (por exemplo Mycoplamsa, Chlamydophila), vírus (por exemplo, HHV-6, HPV), e bactérias dentárias.
  1. Desequilíbrio hormonal. Inclui hormônios associados ao metabolismo (por exemplo, insulina, leptina), tireoide e gônadas (por exemplo, o estrogênio, progesterona, testosterona).
  1. Desregulação imunitária. Inclui a autoimunidade, a função imune cronicamente reprimida, inflamação sistêmica.
  1. Disfunção celular. Metilação, produção de energia e função mitocondrial prejudicada, e dano oxidativo.

Estas patologias (e as interações exposome-genome-epigenoma que levam a elas) estão na raiz de tudo, desde a obesidade, passando pela a tireoidite de Hashimoto, a asma, a distúrbios do autismo, à depressão. O entendimento de que as mesmas 8 patologias subjacentes das principais doenças crônicas mais modernas tem profundas implicações em como devemos abordar estas condições.

Na medicina convencional, o foco é muitas vezes sobre as doenças e os sintomas; ele funciona “de fora para dentro”. Por exemplo, digamos que você vai ao médico para o exame anual e seus exames de sangue revelam que você tem “colesterol alto”. O resultado mais provável nesta situação é que você vai ser prescrito uma estatina e em alguns casos ouvir que deve se exercitar mais e comer melhor. Raramente há qualquer investigação séria sobre o que causou o colesterol elevado em primeiro lugar.

Na medicina funcional, no entanto, nós trabalhamos “de dentro para fora”. Nós prestamos menos atenção aos sintomas e mais atenção à patologia que produz esses sintomas. Colesterol elevado é um sintoma, não uma patologia. As patologias que podem levar a níveis elevados de colesterol incluem má função da tireoide, a permeabilidade intestinal, microbioma do intestino prejudicado, infecções virais ou bacterianas crônicas, insulina e resistência à leptina e desequilíbrios de nutrientes, para citar alguns. Se eu encontrar o colesterol elevado em um paciente, vamos examinar todas essas possíveis patologias, e, claro, também vamos olhar para como a genética do indivíduo, dieta, estilo de vida e outros fatores relacionados ao exposome podem estar contribuindo para eles. Uma vez que todas as patologias centrais foram identificadas, os níveis de colesterol geralmente se normalizam por conta própria.

Se a queixa principal do paciente é de infertilidade, fadiga, sinusite, ou problemas de pele, vou concentrar-me nessas 8 patologias centrais porque eu sei (tanto por experiência clínica e por pesquisa) que elas são as causas mais prováveis ​​subjacentes de sua condição. Na minha prática, a maioria dos meus pacientes estão lidando não apenas com uma dessas patologias, mas várias.

Como você pode ver, esta é uma abordagem fundamentalmente diferente do que geralmente é feito no estabelecimento convencional. A desvantagem é que ela requer muito mais exames e investigação preliminar, o que pode ser caro e demorado. O lado bom, que sobrepõe qualquer uma das desvantagens, é que se torna possível não apenas evitar, mas até mesmo reverter muitas doenças crônicas sem a necessidade de tomar medicação para o resto de sua vida.

Infelizmente, a abordagem de medicina funcional ainda não foi abraçada dentro do modelo de cuidados de saúde convencional. Mas eu acredito que isso está mudando. A prestigiada Cleveland Clinic acaba de lançar um Centro de Medicina Funcional, dirigida pelo médico funcional pioneiro Dr. Mark Hyman. Este é um grande passo para a aceitação em massa da medicina funcional e a pesquisa que o centro está engajado quase certamente irá levar ao reconhecimento maior. 

Eu acho que as companhias de seguros de saúde também vão ver os benefícios da medicina funcional. Eles vão reconhecer que gastar um pouco mais dinheiro na frente em diagnosticar corretamente e tratar a raiz do problema levará a uma enorme economia no futuro próximo e distante.

Essas mudanças não vão acontecer durante a noite e ainda temos muito trabalho a fazer. Mas a maré realmente está começando a virar!

banner livro

O post Por que ficamos doentes apareceu primeiro em Primal Brasil.

Primal Brasil

Cisto pilonidal

Cisto pilonidal é uma variante relativamente comum do cisto dermoide. Na grande maioria dos casos, a lesão se desenvolve na região terminal da coluna vertebral (região sacrococcigiana), bem no início do sulco que separa as duas nádegas, alguns centímetros acima do ânus. Embora esse seja o local mais frequente, o cisto pilonidal pode surgir também nas axilas, couro cabeludo e umbigo.

Quanto a sua estrutura, ele é formado por uma bolsa revestida por células epiteliais, que contém pelos, fragmentos de pele, glândulas sebáceas e glândulas sudoríparas em seu interior. O acúmulo desse material gera um processo inflamatório que pode apresentar sinais de infecção e acúmulo de pus, dando origem a um abscesso (abscesso pilonidal). Portanto, a palavra pilonidal, que significa “ninho de pelos”, define bem a doença, que acomete mais os homens jovens entre 15 e 30 anos.

Causas

As causas do cisto pilonidal ainda não foram totalmente definidas. No início, imaginava-se que fosse um problema congênito provocado por dobras de tecidos embrionários que permaneciam na região subcutânea. Pelo menos era isso que acontecia nos outros tipos de cistos dermoides.

Atualmente, o cisto pilonidal é considerado uma doença adquirida que pode recidivar. A teoria mais aceita é que a lesão seja provocada por pelos soltos que, por atrito, pressão ou calor, atravessam a pele e se alojam na camada subcutânea. A presença desse corpo estranho, sem nenhuma ligação com os folículos pilosos (estruturas onde nascem os pelos), gera uma reação inflamatória que promove a formação de cistos.

Outra possibilidade é que alterações hormonais e nas glândulas sebáceas, associadas a certas condições adversas, favorecem a manifestação de foliculite, um quadro inflamatório e infeccioso do folículo piloso, que se rompe no tecido subcutâneo, dando lugar à formação de um abscesso pilonidal extremamente doloroso.  Em geral, a bactéria responsável pela infecção é o Staphylococcus aureus, um germe que habita normalmente nossa pele.

Resta, ainda, a hipótese de que a origem da inflamação esteja no que chamamos de pelos encravados, fios que se curvam e penetram novamente no folículo piloso onde continuam crescendo, porque não conseguem atravessar as camadas superficiais da pele.

Fatores de risco

Microtraumas de repetição e excesso de pelos mais grossos e encaracolados na região do cóccix, obesidade, sedentarismo, roupas muito justas e falta de higiene são considerados os principais fatores de risco para o desenvolvimento de cistos pilonidais.

Permanecer muito tempo sentado, por exigência profissional ou durante a prática de esportes (ciclismo e equitação, por exemplo) também contribui para a formação de cistos na região sacrococcígea. Essa agravante chamou atenção depois que o número de casos da doença pilonidal cresceu muito entre os soldados americanos que lutavam na Segunda Guerra Mundial e viajavam horas e horas sentados nos bancos de jipes que trepidavam muito por causa dos terrenos irregulares.

Sintomas

Cistos pequenos sem vestígio de infecção geralmente são assintomáticos, embora apresentem um pequeno orifício, por onde é eliminado um líquido turvo de odor desagradável.

Os sintomas realmente aparecem na fase aguda, quando se forma um nódulo na parte superior do sulco entre as nádegas com sinais típicos de processo inflamatório e infeccioso: dor, rubor, calor, edema e saída de secreção purulenta por um orifício que se abre na pele. À medida que a infecção progride, novos orifícios podem surgir dando origem a fístulas que ajudam a drenar o pus. Dependendo do tamanho do orifício, é possível enxergar os pelos no interior do cisto e retirá-los.

Febre, náuseas e cansaço extremo são outros sintomas possíveis da doença pilonidal.

Diagnóstico

O diagnóstico da doença pilonidal é clínico. O médico leva em conta a história do paciente, suas queixas e o exame minucioso da região afetada. Não existem testes laboratoriais específicos nem de imagem que ajudem a confirmar o diagnóstico dos cistos e abscessos pilonidais. O hemograma registra, apenas, um aumento na taxa de leucócitos, o que pode acontecer por inúmeras causas diferentes.

Tratamento

O tratamento do cisto pilonidal varia de acordo com a fase da doença. Paciente com cisto sem nenhum sintoma nem sinal de infecção deve permanecer em observação para avaliar a evolução do quadro.

Quando já houve a formação de abscesso, o procedimento indicado é fazer a drenagem da secreção purulenta através de uma pequena incisão na pele. A intervenção é realizada sob anestesia local, sem necessidade de internação hospitalar. Para alguns pacientes, essa técnica pode representar um caminho para a cura. Infelizmente, nos outros, a doença é recorrente.

Como os antibióticos não produzem o efeito desejado nessa fase, a indicação é cirúrgica. A técnica mais utilizada é a ressecção em cunha do cisto, deixando a ferida aberta, sem pontos, para que a cicatrização ocorra naturalmente, de dentro para fora. Esse método conhecido como “cicatrização por segunda intenção” é o mais recomendado para o tratamento de feridas infectadas. Embora o período de recuperação seja mais longo, o risco de recidivas é muito baixo. Também é possível fechar a ferida com pontos, o que encurta o período de recuperação, mas aumenta o risco de novas crises.

No pós-operatório, é preciso redobrar os cuidados com a ferida. O curativo deve ser trocado todos os dias, o local lavado com soro fisiológico e coberto com gaze.

Recomendações

As seguintes medidas podem ajudar você a prevenir a formação de cistos pilonidais e a evitar recidivas:

* Não permaneça muito tempo sentado. Levante e caminhe um pouco a cada uma ou duas horas;

* Procure manter o peso ideal para sua estatura e idade;

* Mantenha a região sempre limpa e livre de umidade ou suor;

* Dê preferência a sabonetes antissépticos ao fazer a higiene do local;

* Depile a região especialmente se seus pelos forem mais espessos e encaracolados;

* Evite vestir roupas íntimas de tecido sintético.

Observação: Embora seja uma complicação bastante rara, formas crônicas e não tratadas de cistos pilonidais infectados aumentam o risco de desenvolver carcinoma de células escamosas, um dos tipos de câncer de pele.

The post Cisto pilonidal appeared first on Dr. Drauzio Varella.

Dr. Drauzio Varella

Expectativa sobre cirurgia plástica deve ser discutida com médico

Coração&Vida

Imagem corporal distorcida pode comprometer resultados

Pequenas imperfeições no rosto e no corpo são comuns na população e a evolução da cirurgia plástica tornou possível corrigir esses defeitos com o mínimo de danos. Entretanto, certos pacientes costumam exagerar nos pedidos nos consultórios, principalmente por terem uma imagem deturpada de si mesmos e até por desejo de se parecerem com outras pessoas. 

Exagerar nos pedidos para mudar a imagem corporal pode ser indicativo do transtorno dismórfico corporal, em que a pessoa nunca se sente bem com o próprio corpo

Exagerar nos pedidos para mudar a imagem corporal pode ser indicativo do transtorno dismórfico corporal, em que a pessoa nunca se sente bem com o próprio corpo

Foto: Getty Images

Esses indivíduos sofrem de um problema conhecido como dismorfofobia ou síndrome dismórfica, um transtorno psicológico caracterizado pela excessiva preocupação com defeitos imperceptíveis na aparência física. 

Mas, até que ponto os cirurgiões podem ceder a pedidos que beiram a loucura?  De acordo com o cirurgião plástico Fabio Antonio Naccache, do Hospital Sírio-Libanês, é preciso desmistificar a ideia de que a cirurgia pode corrigir absolutamente todos os defeitos e fazer qualquer tipo de mudança.

“O paciente muitas vezes vem iludido de que está diante de uma pessoa com uma capacidade ilimitada de resolver o problema. Deve ser explicado que o cirurgião tem limites para atuar. Se eu for além do que é possível, eu posso causar um problema para o paciente e o resultado pode não ficar bom.” 

Casos de cirurgias que não deram certo são vistos com frequência na internet, principalmente no mundo dos famosos.  Como a cirurgia plástica mexe com a aparência, é grande a chance de arrependimento com um procedimento mal planejado. 

>> Veja alguns cuidados a se tomar antes de fazer uma cirurgia plástica:

Se você fuma, pare ao menos um mês antes do procedimento

Se você fuma, pare ao menos um mês antes do procedimento

Foto: Thinkstock/Getty Images

Evite pílula anticoncepcional 1 mês antes da cirurgia. Há risco de trombose venosa profunda, condição fatal

Evite pílula anticoncepcional 1 mês antes da cirurgia. Há risco de trombose venosa profunda, condição fatal

Foto: Thinkstock Photos

Não faça procedimentos estéticos como esfoliação, peeling profundo ou dermoabrasão antes da cirurgia

Não faça procedimentos estéticos como esfoliação, peeling profundo ou dermoabrasão antes da cirurgia

Foto: Thinkstock

Se toma isotretinoína (para acne) pare com o remédio 3 meses antes e só volte a tomar depois de 6 meses do procedimento (ele prejudica a cicatrização)

Se toma isotretinoína (para acne) pare com o remédio 3 meses antes e só volte a tomar depois de 6 meses do procedimento (ele prejudica a cicatrização)

Foto: Getty Images

É importante estar com o peso estabilizado, para evitar o efeito-sanfona, especialmente se a cirurgia for feita na barriga, no bumbum ou nas mamas

É importante estar com o peso estabilizado, para evitar o efeito-sanfona, especialmente se a cirurgia for feita na barriga, no bumbum ou nas mamas

Foto: Thinkstock/Getty Images

Se quer engravidar em curto ou médio prazo, vale repensar se não é melhor adiar cirurgia para depois de seis meses decorridos do fim da amamentação

Se quer engravidar em curto ou médio prazo, vale repensar se não é melhor adiar cirurgia para depois de seis meses decorridos do fim da amamentação

Foto: PA/BBC Brasil

Evite o sol antes e depois da cirurgia, especialmente se ela for feita na face. Na área operada, use filtro com fator de proteção solar 30 (no mínimo)

Evite o sol antes e depois da cirurgia, especialmente se ela for feita na face. Na área operada, use filtro com fator de proteção solar 30 (no mínimo)

Foto: BBC

Faça todos os exames clínicos solicitados pelo médico para saber se pode se submeter ao procedimento

Faça todos os exames clínicos solicitados pelo médico para saber se pode se submeter ao procedimento

Foto: Getty Images

Só opere em hospitais ou clínicas que tenham suporte para atuar em casos de emergência

Só opere em hospitais ou clínicas que tenham suporte para atuar em casos de emergência

Foto: Getty Images

No entanto, nem todos os casos de insatisfação dizem respeito apenas ao excesso de expectativa do paciente e podem estar ligados a outros fatores, até mesmo a erros médicos. 

Um exemplo de cirurgia malsucedida que ficou conhecido foi o da apresentadora Xuxa, que relatou em uma entrevista a um programa de TV ter sofrido uma fibrose de grandes proporções após ser submetida a uma lipoaspiração. A fibrose, uma cicatriz interna, é comum em cirurgias, mas em pequenos tamanhos. 

Além do problema com a lipoaspiração, a apresentadora relatou que “ganhou” um botox na região do olho sem ser consultada. Ela disse que acordou da cirurgia no abdômen já com o preenchimento no rosto. 

Fora do mundo das celebridades, a publicitária Vivian Freitas, 27, também não alcançou o resultado esperado em uma cirurgia feita no nariz há quatro anos.  “Depois de estar completamente recuperada da cirurgia, percebi que o nariz ficou torto, uma aba ficou maior que a outra, a giba dorsal [proeminência no dorso do nariz] não foi modelada adequadamente e sobrou um pouco.”

Preocupação excessiva com aparência pode causar transtorno psiquiátrico

‘Anorexia é a doença mental que mais mata no mundo’, diz pesquisador

O pesadelo de quem vive obcecado com a própria aparência

A publicitária também se queixa de um desvio no septo adquirido após o procedimento.  “Depois de quatro anos, descobri que acabei com um desvio de septo que não tinha antes. Descobri porque tive sinusite e precisei fazer um exame”, diz.

Para evitar situações como essas, o cirurgião do Hospital Sírio-Libanês recomenda enfaticamente que o paciente tire todas as suas dúvidas antes de fazer a cirurgia e deixe o médico ciente do que exatamente pretende fazer.

“O cirurgião tem que, como todo bom médico, ouvir muito bem o paciente e entender porque ele está querendo aquilo, o que o motivou a ficar infeliz com aquele aspecto no seu corpo”, explica Naccache. 

Nesse caso da cirurgia de nariz, o médico menciona que, atualmente, já existe um tipo de cirurgia plástica que alia a estética à funcionalidade do órgão para evitar problemas como o relatado por Vivian.

“Estamos lidando com uma região de complexidade grande, porque o nariz não serve só como ornamento, serve para respirar. Muitas vezes trabalhamos juntos com o médico otorrino porque o paciente pode ter problemas.” 

Em relação aos possíveis resultados indesejados, Naccache diz que o paciente deve ser acolhido, orientado e pode se pensar num segundo procedimento de revisão para ver o que ocorreu.

Fonte: Site Coração & Vida (coracaoevida.com.br)

Leia mais sobre saúde



Saúde: bem-estar, dicas de alimentação, dieta e exercícios – iG

Grãos integrais são saudáveis?

Grãos – Existe alguma vantagem? Parte 2

 Escrito por Mike Sheridan:

whole_grain_food-pic

Grãos – Os consistentes contras

 

Quando os alimentos são imunogênicos significa que ativam o sistema imune e induzem a inflamação. Embora algumas pessoas façam esforços para absterem-se de alimentos que são alérgicos a (ou seja ativa imunoglobulina E), muitos estão, sem saber, consumindo alimentos que são imunogênicos. O exemplo mais comum é o trigo, com algumas pesquisas mostrando que promove a inflamação em mais de 80% da população. [XXVI]

Intolerância ao glúten: o renomado pesquisador, Dr. Kenneth Belas, acredita que 1 em cada 3 americanos são intolerantes ao glúten e 8 em cada 10 tem os genes para desenvolvê-lo.

Mesmo se esquecermos o glúten por um instante, muitas das proteínas gliadinas do trigo e outros grãos são responsáveis ​​por induzir uma resposta imune pró-inflamatória, [ xxvii ] seja uma intolerância reconhecida pela pessoa ou não. [ xxviii ] Um artigo de Ian Spreadbury em 2012 sugere que isso é em parte o resultado de uma bactéria hostil que surge após a quebra de carboidratos acelulares (grãos, farinha, açúcar) . [ xxix ]

carbs modernos vs ancestrais

 Teor de carboidratos de fontes ancestrais (em branco), comparado com grãos (Cinza)

 

Basicamente, aquele pão de forma que você acabou de engolir foi usado por esta bactéria.

Descobertas similares têm determinado que uma endotoxina chamada LPS (lipo-polissacarídeos) é elevada no trato gastro intestinal quando a típica dieta rica em carboidratos, com diversos grãos processados é consumida, [xxx] e isso está fortemente correlacionado com a obesidade e diabetes [xxxi] – algo não visto em populações tradicionais que não comem este tipo de coisa. [xxxii]

Inflamação crônica do intestino também promove um aumento na permeabilidade intestinal (intestino permeável), que está associada a várias [XXXIII] e doenças inflamatórias e autoimunes do intestino, [XXXIV] e afeta negativamente a absorção de vitaminas e minerais essenciais. [XXXV] Essencialmente, os grãos são um golpe duplo, como eles danificam o revestimento intestinal onde os nutrientes são absorvidos, e a maioria deles vêm equipados com “antinutrientes” (ácido fítico e lectinas) que impedem a disponibilidade de nutrientes.

Um documento divulgado em 2005 salientou que a mudança para uma subsistência agrária baseada em uma dieta rica em cereais, rica em antinutrientes, é a culpada pelo desenvolvimento da resistência à leptina e as doenças degenerativas que vem com ela. [Xxxvi]

Embora a atividade da lectina tem sido demonstrada numa variedade de cereais (centeio, cevada, aveia, etc),  a aglutinina do gérmen de trigo (WGA) é a estudada de maneira mais abrangente, e sua maior concentração está no trigo. [XXXVII] WGA e outras lectinas têm a capacidade de ligarem-se a quase todos os tipos de células, [XXXVIII] inclusive, as do intestino. [XXXIX] Similarmente à gliadina e as outras proteínas do trigo, as lectinas promovem uma resposta inflamatória [XL] e afetam indivíduos sem alergias identificadas. [xli]

Sim, outros alimentos são ricos em lectinas e fitatos (ex: nozes e sementes), [xlii] mas há menos dependência destes alimentos como um alimento básico e estes são nutritivos e pobres em carboidratos. Estes nutrientes não parecem causar problemas em pequenas quantidades, [xliii], mas o dano digestivo torna-se cada vez mais proeminente com o consumo consistente e excessivo. Infelizmente, isto tornou-se característico para grande parte da população quando se trata de grãos.

O pão ou cereal integral no café da manhã, sanduíche para o almoço, massas para o jantar causam danos no intestino e não dá oportunidade para o reparo das células. [Xliv]

A maior preocupação é para aqueles que evitam proteínas de boa qualidade animal e até mesmo vegetal, mas optam por consumir grãos, feijão, e nozes como única fonte de proteína. Isso não só irá deixá-los extremamente deficientes em nutrientes essenciais, mas o consumo excessivo de fitatos e lectinas diminui a disponibilidade de nutrientes dos alimentos que consomem, e danifica o revestimento intestinal onde os nutrientes são absorvidos. [Xlv]

Os fitatos e lectinas podem ser removidos em parte com procedimentos de preparação apropriadas (tais como germinação, imersão na água, fermentação e cozimento a pressão), mas as pesquisas nos dizem que apenas 50% dos fitatos são removidos com um 18h de molho na água, [xlvi] e a maioria das lectinas são resistentes ao calor. [xlvii]

Um estudo de 2002, no Journal of Food Science determinou que com 16h de molho na água não houve redução no teor de ácido fítico. [Xlviii]

Mais importante, dada a norma norte-americana da velocidade e conveniência em detrimento da qualidade, que percentagem da população está realmente passando por este processo na preparação dos grãos?

Estamos tentando fazer com que uma comida não comestível se torne comestível e benéfica.

Talvez 0,0001 % da população tomará os necessários 5 dias para manter em 30 graus Celsius a aveia, brotá-la, e mantê-la durante 17 horas a 70 graus Celsius para enfim remover 98% do ácido fítico . [ Xlix ] E ainda por cima, depois de tudo isso, o que que nos resta?

30 gramas de carboidratos em meia xícara!

Independentemente de você mergulhar ou não os grãos para remover o ácido fítico e acessar mais nutrientes, isso não muda o fato de que eles ainda são muito ricos em carboidratos – disparam a sua produção de insulina. [L] Você sabe, aqueles que fazem os níveis obesidade disparar.

Os norte-americanos permanecem gordos e ficam doentes porque eles priorizam alimentos que são ricos em carboidratos. E eu não estou falando sobre o creme em seu café ou seu omelete. Quero dizer o pão para o café da manhã, massas e sucos para o almoço, pizza para o jantar, e pipoca na frente da tv.

Felizmente, muitos estão finalmente entendendo a mensagem de que o açúcar é ruim, mas eles estão falhando em reconhecer que o pão que eles estão comendo com geleia zero aumenta o açúcar no sangue mais rápido do que o açúcar de mesa puro. [Li]

E os grãos inteiros?

Apesar do que foi dito (e continuam a dizer), a diferença do açúcar sanguíneo entre o grão inteiro e grãos refinados é pequena. [Lii] Da mesma forma, trocar grãos refinados por grãos integrais na mesma quantidade não leva a reduções significativas na gordura corporal ou outros fatores de risco para a síndrome metabólica, apenas quando o consumo total é reduzido. [liii]

São fontes que excessivamente contribuem para a nossa carga diária de carboidratos. 1 porção de grãos adiciona pelo menos 30 gramas de carboidratos desprovidos de nutrientes, que, eventualmente, é quebrado no intestino para os mesmos açúcares simples (glicose) como barras de chocolate. [Liv]

E além de promoverem a resistência à insulina, obesidade e diabetes, esses níveis de açúcar no sangue cronicamente elevados (hiperglicemia) estão impulsionando as doenças degenerativas do coração [lv] e no cérebro. [Lvi] [lvii]

A hiperglicemia (açúcar elevado no sangue) tem sido proposta como um mecanismo que pode contribuir para a diabetes e a função cognitiva reduzida.” [LVIII]

Infelizmente, o excesso de gordura corporal [lix] e a intolerância à glicose [lx] que se desenvolvem a partir de uma dieta baseada carboidratos com alto índice glicêmico também estão associados diretamente com a mortalidade por câncer. [Lxi]

Grãos, só desvantagens

 

Basicamente, grãos integrais contra grãos refinados é uma escolha entre a inflamação e hiperglicemia e carência nutricional.

Dizer para você comer grãos por causa dos nutrientes é como dizer que você vá para o clube de strip tease e busque ação. Embora pareça que estão disponíveis, é evidente que você não está ganhando nada.

Há uma abundância de alimentos que fornecem nutrientes acessíveis e fibras benéficas, sem as consequências negativas de saúde que vêm com grãos. Empresas de pães e cereais e governos financiados por eles estão lhe dizendo o contrário.

Consumo de grãos = Vendas de pães e cereais = Financiamento do governo americano

Pessoalmente, eu não confiaria em ninguém que me diga que preciso comer grãos, porque não preciso. O que preciso, é menos gordura corporal e inflamação, e um intestino mais forte, mais saudável.

Banner1

 

[xli] http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0014579396011544

[xlii] http://ajcn.nutrition.org/content/33/11/2338.full.pdf+html

[xliii] http://journals.cambridge.org/action/displayAbstract?fromPage=online&aid=873700&fileId=S0007114593001254

[xliv] http://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0000687

[xlv] http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1115436/?tool=pubmed

[xlvi] http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/0308814694902135

[xlvii] http://informahealthcare.com/doi/abs/10.3109/13590849109084100

[xlviii] http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1365-2621.2002.tb09609.x/abstract

[xlix] http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1365-2621.1992.tb14340.x/abstract

[l] http://m.ajcn.nutrition.org/content/76/1/5.full.pdf?sid=6f6fd7cc-dd9c-4c02-82b2-b959f5649453

[li] http://ajcn.nutrition.org/content/76/1/5.full

[lii] http://m.care.diabetesjournals.org/content/4/5/509.full.pdf

[liii] http://ajcn.nutrition.org/content/early/2014/06/18/ajcn.113.078048.short

[liv] http://www.huffingtonpost.ca/mike-sheridan/sugar-carbohydrates_b_6586584.html

[lv] http://care.diabetesjournals.org/content/early/2014/10/14/dc14-0360.abstract%20

[lvi] http://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMoa1215740

[lvii] http://www.neurology.org/content/79/10/1019

[lviii] http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22710333

[lix] http://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMoa021423

[lx] http://aje.oxfordjournals.org/content/157/12/1092.full.pdf

[lxi] http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3267662/

[lxii] http://www.nature.com/ejcn/journal/v68/n7/abs/ejcn201475a.html

O post Grãos integrais são saudáveis? apareceu primeiro em Primal Brasil.

Primal Brasil

HF: a luta para baixar o colesterol ruim

“Quando sofri o infarto, depois de fazer a cirurgia para retirar a gordura das artérias, voltei para casa no dia 22 de dezembro. Era Natal e minha mãe teve que mudar toda a ceia. Ela sofreu muito nesse sentido, pois teve que modificar completamente o estilo de vida e a alimentação lá de casa. Não é fácil ser mãe de três filhos que têm uma doença incurável”, explica André Luis Batista Pereira, fundador e diretor da Associação Hipercolesterolemia Familiar. André tinha 28 anos quando sofreu o primeiro infarto.

Além da mudança na alimentação, ele passou a praticar exercícios físicos e a tomar nove remédios, a maioria em dose máxima. E ainda tem que aguentar os efeitos colaterais da medicação. “Um desses remédios causa vermelhidão e ardência na pele. Sabe o Hellboy (personagem de história em quadrinhos)? Eu fico como ele!”, conta.

Leia aqui sobre  hipercolesterolemia familiar
Leia aqui sobre  o diagnóstico da HF
Leia aqui sobre  o princípio ativo que traz esperança para os pacientes com HF

 “Aí você começa a tomar a medicação, e tem uma hora que pensa que já tomou remédio demais. E relaxa, né? Infelizmente foi isso que eu fiz.” Aos 38 anos, dez anos após a cirurgia em função do primeiro infarto, André sofreu o segundo ataque cardíaco. Ele estava em uma sala de reunião, tratando do corte de funcionários em seu trabalho, uma situação bastante estressante. Ao chegar ao hospital, a médica avisou: “Você está tendo o segundo infarto, vai passar pelo segundo cateterismo. Não vai escapar vivo do terceiro”.

É comum que o paciente com HF abandone o tratamento e os medicamentos. Isso porque o tratamento requer muito esforço, mas oferece resultados pouco recompensadores. Seguir o tratamento à risca não garante necessariamente que o LDL, o colesterol ruim, baixe. Na época do primeiro infarto, o LDL de André era de 409 mg/dl; hoje, é de 435mg/dl.

Foi pensando nesses pacientes, na classe médica e na população leiga que foi criada a Associação HF, da qual André é fundador e diretor. Fundada em maio de 2014, a associação oferece apoio psicológico para os pacientes que precisam encarar resultados não tão animadores do tratamento e também alerta para o fato de que o colesterol alto não é apenas fruto de uma vida desregrada nem ocorre apenas em pessoas acima do peso, por exemplo. A tendência a ter níveis altos de colesterol pode ter causas genéticas.

Pergunto para André se hoje em dia ele tem medo que algo lhe aconteça, mesmo adotando medidas como medicação adequada, alimentação regrada e prática de exercícios físicos. Ele responde: “Você quer saber se eu tenho medo de morrer? Tenho muito medo. Acabei me tornando uma pessoa medrosa. [A morte]  vai chegar, mas espero que ela seja por qualquer outra causa que não a doença”.

 

The post HF: a luta para baixar o colesterol ruim appeared first on Dr. Drauzio Varella.

Dr. Drauzio Varella

Dieta low-carb e diabetes

Saiu uma nova matéria na revista americana Men’s health entitulada “A Cura Para Diabetes”: E se a Associação Americana do Coração suportasse a dieta da gordura trans? Seria um problema, certo?  Veja com o que a Associação Americana de Diabetes está alimentando os diabéticos: Açúcar. Sem problemas: Temos a solução aqui. Esta matéria da Men’s Health foi traduzida para português na íntegra por Antônio Carlos Junior, Hilton Sousa e eu, como uma sugestão do Dr. Souto e você pode lê-la clicando na imagem abaixo ou aqui.
Untitled

A crítica se deve ao fato da Associação Americana de Diabetes estar recomendando uma dieta alta em carboidratos para diabéticos, mesmo em luz de um grande corpo de evidências sugerindo o oposto, ou seja, uma dieta baixa em carboidratos para a cura da diabetes.

Similarmente, de acordo com a ADA, a Associação Americana de Diabetes, o consumo de doces não é uma preocupação, uma vez que a sacarose, ou açúcar de mesa, aumenta o açúcar sanguíneo do mesmo modo que o amido dos alimentos. Logo, de acordo com esta lógica, carboidratos são bons para diabéticos como são para qualquer indivíduo, e portanto, o açúcar é bom para todos também. Errado! Isto não é o que a ciência mostra, ponto final. O artigo elucida este contraste das recomendações vigentes e com o que as evidências sugerem para diabéticos e para indivídos com transtornos metabólicos.

Enfatiza que uma série de estudos publicados desde 2003 demostram que a dieta low-carb reduz o risco de doenças cardiovasculares, incluindo diabetes mais do que outras dietas. Verdade, a restrição de carboidratos favorece a queima de gordura e a melhora dos biomarcadores de saúde.

O problema com a ADA é que ela não apoia estudos com menos de 3 anos de duração como evidência, entretanto, isto está limitando totalmente o campo de visão e compreensão da ciência por trás do tratamento da diabetes, uma vez que estudos clinicos e randomizados são relativamente curtos por natureza, com relação a estudos prospectivos, tanto é que são aceitos pela comunidade científica como sendo o maior grau de evidência científica. Temos um grande problema aqui, vocês percebem? A ADA não aceita como evidência o que representa o maior grau de evidência científica!  Este é um grande paradoxo que limita a própria credibilidade da instiuição.

Outros pontos importantes da matéria:

  • “Em 2003, pesquisadores da Universidade Duke foram designados para testar as descobertas do Dra. Mary Vernon, presidente da Sociedade Americana de Médicos Bariátricos, em um ambiente de laboratório. Os resultados de seu estudo de 16 semanas: 17 dos 21 pacientes diabéticos que participaram foram capazes de reduzir significativamente a sua medicação ou eliminá-la por completo.”
  • “Em uma pesquisa com mais de 2.000 pessoas seguindo a dieta low-carb, Richard Feinman, Ph.D., diretor da Sociedade de Nutrição e metabolismo dos EUA e professor de bioquímica do centro médico SUNY Downstate, em Nova York, descobriu que 80 por cento realmente consomem maiores quantidades de vegetais, em relação ao que consumiam antes de adotaram a abordagem.
  • Diversos médicos como Dra. Mary Vernon são simples e diretos em suas recomendações. Nas palavras da Dra. Vernon:

Minha primeira linha de tratamento é prescrever uma dieta baixa em carboidratos.”

Isto geralmente é tudo que é necessário para reverter seus sintomas”

Simples! A low-carb reverte boa parte dos sintomas da maioria dos pacientes.

Banner1

 

O post Dieta low-carb e diabetes apareceu primeiro em Primal Brasil.

Primal Brasil