Receita de molho pesto

Se tem uma coisa que faz toda a diferença na vida é um molhinho, né? Ajuda muito para quem está aprendendo a gostar de salada ou mesmo para dar um up naquele prato. Um dos meus molhos preferidos e que faz o maior sucesso é o pesto ‘falso’. Falso porque, diferente do original, não leva queijo nem pignole.

Descobri, durante alguns testes, que o manjericão acaba sendo a grande estrela! Então invisto nessa ervinha maravilhosa e perfumada junto com outros ingredientes maravilhosos: o meu querido amado e lindo limão siciliano; o mais que divino, maravilhoso, velho e bom azeite extra virgem; um dentinho de alho; sal (se precisar) e nosso utensílio de todo dia, o liquidificador!

Sirvo a minha receita de molho pesto com saladas, para arrematar um risoto de quinoa com vegetais, ou mesmo com tudo junto e misturado que tiver na mesa no dia… Faço um tantão e deixo na geladeira, e parece que vai ficando mais gostoso conforme vai apurando…

Sou meio ruim com medidas, porque vou colocando e experimentando e ajustando os sabores conforme o objetivo, a combinação ou o que a boca tá pedindo mais naquele dia… Mas é mais ou menos isso aqui:

Como fazer minha a receita molho pesto

Ingredientes
Manjericão = 1 maço só as folhinhas (já higienizadas)
Suco de meio limão siciliano
1 dente de alho
Azeite extra virgem = 1/2 xícara (aqui pode ir menos ou mais, dependendo do gosto)
Sal (se necessário)

Modo de preparo

Juntar todos ingredientes e bater no liquidificador.

Pesto no risoto de quinoa. Nhac!

Na salada de todo dia…. Super deli!

Em tempo: O manjericão pode ajudar a tratar as infecções de garganta. E é
estimulante e diurético!

O post Receita de molho pesto apareceu primeiro em Fale com a Nutricionista.

Fale com a Nutricionista

Por que ficar sarado não é a sua principal motivação para fazer exercícios

quadrado incial

Novidade: Meu novo livro sobre a dieta paleo e low-carb “Emagrecer Com Prazer” foi lançado e está disponível  a preço promocional por tempo limitado. Não fique parado, ganhe controle total da sua vida aqui e hoje!

Este é um post escrito por Mark Sisson.

motivation

Escutamos diversas vezes que para ficarmos saudáveis, precisamos abandonar nossos instintos “inferiores” (por exemplo, conservação de energia no sofá ou o instinto que deseja sair e se divertir) e abraçar objetivos futuros. Precisamos levar as coisas a sério – temos que ter objetivos concretos e medidas claras para executá-las. Devemos começar a trabalhar chicoteando-nos através do suor e disciplina. Ou?

Claro, certo grau de planejamento para o futuro e favorecer o autocontrole sobre caprichos momentâneos, nos levará ao caminho certo para saúde, mostra uma pesquisa recente.

Esta é de longe a melhor mentalidade, quando temos acesso emocional ao self “superior”. A verdade teimosa é: eu nunca conheci alguém que pudesse manter isso todos os dias. A maioria dos dias eu fico entediado em alguns momentos, com toda a honestidade.

Goste ou não, a pesquisa mostrou que a saúde não é um incentivo eficaz para a maioria das pessoas para exercer de forma consistente a manutenção do peso e dos exercícios. Na verdade, as pessoas cujo principal objetivo para fazer exercícios é a saúde ou perda de peso acabam investindo o mínimo de tempo para se manter adiante, realmente.

Assim, se as lógicas típicas não são os motivadores mais eficazes e confiáveis, então quais são eles? De acordo com a pesquisa, nós tendemos a sermos melhores em termos iniciativa a partir das “expectativas de resultados afetivos” – os benefícios comportamentais e os benefícios percebidos para nossas vidas. Para colocá-lo de maneira simples, se nos faz sentir melhor, em algum nível, estamos mais propensos a seguir adiante.

De acordo com esse padrão, quanto mais imediato é o benefício percebido, mais poderoso e influente ele é sobre o nosso comportamento. A mesma gratificação de curto prazo, que é condenada como o pior inimigo para nossa saúde, pode realmente ser aproveitada para o bem. Vai entender… talvez nossos instintos primários não precisem necessariamente nos levar para o lado ruim.

Nesse espírito, deixe-me lançar 10 incentivos de curto prazo para tirar o traseiro do sofá – ou da cadeira de escritório. Esqueça tudo sobre a sua pressão arterial ou risco de câncer ou o condicionamento cardiovascular. Esqueça a gordura corporal, prazos, ou os princípios de funcionamento metabólico. O que importa nesta lista é o aqui e agora – benefícios do mesmo dia se você quiser.

  • Você vai sair de um único treino com melhor processamento de atenção, memória e memória de trabalho motora.
  • Você vai desfrutar de um clima mais brilhante e com menos ansiedade para as próximas horas – mesmo se você fizer um treino simples como uma corrida lenta ou uma breve caminhada ao ar livre.
  • Alguém poderia dizer “o barato pós-treino
  • Você vai ser capaz de se livrar ou manter uma boa distância de tudo que o estresse emocional suga da sua energia mental.
  • Se você for como os sujeitos de outro estudo recente, você vai experimentar uma melhora pronunciada na sua imagem corporal após apenas uma sessão de treinamento de resistência. (Nota: uma única sessão curta de treinamento cardio não oferece o mesmo benefício)
  • Você vai ter mais autocontrole – e função do cerebral maior – depois de um treino, graças ao fluxo de sangue e oxigênio fluindo para o córtex pré-frontal.
  • Um único treino pode oferecer efeitos hipoalgésico (alívio da dor temporária) para aqueles que experimentam a dor crônica.
  • A sessão de exercícios leva a excitação sexual pós-treino. Só um comentário! =)
  • Por último, de acordo com um estudo sobre mulheres sedentárias (que não tinham sido diagnosticadas com insônia como nos grupos em um estudo divulgado anteriormente), você pode dormir melhor, mesmo após uma única sessão de exercício moderado.
  • Bônus: que tal apenas o prazer? Podemos ousar deixar de lado o interesse em benefícios físicos e simplesmente sair e se divertir com qualquer esporte que desfrutamos ou uma corrida e se divertir?

Sério, por vezes, a melhor motivação é aparentemente a mais rudimentar ou mesmo irrelevante. Os caminhos que lhe oferecem mais emoção, prazer e diversão – e esqueça do resto. Ser Paleo feliz é igual ser Paleo saudável. Quanto mais Primal pode ficar?

O que sua motivação diária se parece quando se trata de fitness? Você é mais uma pessoa com objetivos concretos, ou incentivos de curto prazo funciona melhor para você? Compartilhe seus pensamentos sobre o tema, e obrigado pela leitura, todos. Tenha um ótimo fim de semana.

banner livro

O post Por que ficar sarado não é a sua principal motivação para fazer exercícios apareceu primeiro em Primal Brasil.

Primal Brasil

Dieta Paleo Low Carb: Docinho de Chocolate

Este é um guestpost da chefe de cozinha Dirlene D’Addio

Docinho de chocolate

  • Na minha geladeira tinha várias sobrinhas e por isso decidi criar um docinho rápido.
  • Usei 100 ml de ganache (chocolate 70% de cacau derretido e misturado com leite de coco (a mesma quantidade) e 200 ml de gemas peneiradas.
  • Misturei e levei ao banho-maria.
  • Mexi por 5 minutos, desliguei o fogo e misturei 3 colheres de sopa de castanha do pará quebradinha.

docinho de chocolate 2

Gosto da receita dela?? Eu adorei, pois adoro chocolate e ele está sempre presente na minha dieta para emagrecer com muito prazer.

Sebe o que você irá gostar mais?   Todas as outras receitas paleo de seu livro para você aproveitar esta jornada com muito prazer.

Primeiro livro de receitas para quem faz a dieta paleo em português!

Neste livro você encontará receitas fáceis para todas as refeições!
Todas as receitas foram preparadas pela autora e Chef de Cozinha Paleo, Dirlene D’Addio.
O livro esta dividido em categorias para facilitar o manuseio, tais comos, carnes, peixes, ovos, sobremesas e muito mais!”

    Clique aqui para receber: Receitas Paleo Para Todas As Horas

livro de receitas

O post Dieta Paleo Low Carb: Docinho de Chocolate apareceu primeiro em Primal Brasil.

Primal Brasil

Enxaqueca: um problema sério

Enxaqueca não é somente uma simples dor de cabeça. É um problema de saúde sério, que acomete mais de 30 milhões de brasileiros (3 mulheres para cada homem) e merece acompanhamento médico especializado. Isso porque quem sofre de enxaqueca perde dias de trabalho e momentos importantes da vida por conta das crises que duram de 4 a 72 horas. E o pior: muitos fazem uso abusivo de analgésicos, o que significa que tomam mais de dois comprimidos do medicamento por semana.

Segundo a dra. Célia Roesler, vice-coordenadora do Departamento Científico de Cefaleia da Academia Brasileira de Neurologia, quem tem dores de cabeça constantes (mais de dois episódios numa única semana) deve procurar ajuda. O problema, conforme alerta a médica, é encontrar um especialista, já que nem todo neurologista sabe indicar o tratamento adequado. Não é raro o paciente perambular de médico em médico, passar por consultas que não duram mais 10 minutos, realizar diversos exames e no fim ainda ouvir: “Olha, você tem só uma dor de cabeça. Toma um analagésico que passa”.

“Para identificar a enxaqueca é necessário analisar o histórico do paciente. É preciso ter uma conversa longa com ele para investigar tudo, hábitos alimentares, comportamentos, histórico familiar. Costumamos, inclusive, fornecer um diário da dor, para que a pessoa escreva o dia e a hora em que teve a crise e tente identificar possíveis fatores desencadeantes. Por isso as consultas tendem a durar mais de 50 minutos. Os exames, como tomografia e ressonância, quando solicitados, só servem para descartar doenças secundárias, como tumor e aneurisma“, explica a médica.

Estima-se que as crises de enxaqueca comprometam 1,4% do total de anos de vida saudável do paciente. A dor de cabeça em geral é latejante e unilateral e pode mudar de lado; dependendo da intensidade da crise, a pessoa pode ficar impossibilitada de realizar suas atividades habituais e, na fase crítica, desenvolver sintomas como intolerância à luz, aos ruídos e a odores, além de náusea e vômito. Movimentos bruscos do crânio e esforços físico e mental também podem agravar o sofrimento durante a fase aguda.

“Náuseas e vômitos são frequentes porque durante a crise ocorre uma estase gástrica, ou seja, a digestão e absorção do que foi ingerido são suspensas. Por isso o paciente se sente enjoado”, completa a dra. Roesler.

A dica fundamental para quem sofre desse problema é prestar atenção na alimentação. Queijos curados, molhos, vinho tinto, café e chocolates podem ser fatores desencadeantes da crise. Esses alimentos liberam substâncias inflamatórias que dilatam os vasos cerebrais e ajudam a desencadear a dor de cabeça.

Além disso, fatores ambientais como luz e odores fortes e barulho alto também podem funcionar como gatilho para alguns pacientes. As oscilações hormonais pelas quais grande parte das mulheres passa durante a vida contribuem para desencadear as crises. “Durante a menstruação, por exemplo, o nível de estrogênio diminui. Com isso, os vasos sanguíneos se dilatam, ocasionando as dores”, comenta.

A médica também alerta para o risco do uso de anticoncepcionais por pacientes que tenham enxaqueca com aura (fenômeno sensorial que antecede a dor) e sejam fumantes. “Esses fatores associados triplicam a probabilidade de derrame.”

Tratamento

Enxaqueca é igual incêndio. Você tem que tratar logo senão ela piora muito”, adverte a dra. Célia. Ainda de acordo com a neurologista, existem pacientes que, pela falta de tratamento adequado, passam a ter crises diárias de dor. No entanto, é preciso cuidado: o abuso de analgésicos e o aumento progressivo das doses necessárias para alívio das crises podem resultar em um efeito rebote cujo resultado é o agravamento dos sintomas.

Existem medicamentos específicos para os casos de dor recorrente. Na prática, o paciente tem que fazer um tratamento preventivo com remédios que diminuem a frequência e a intensidade das crises. Para os momentos de dor aguda, o médico pode indicar o uso de sumatriptana, droga que reverte a dilatação dos vasos e diminui a transmissão da dor, e de naproxeno, que diminui a inflamação.

“Hoje, essas duas drogas podem ser encontradas em um único medicamento. Mas é essencial que o paciente procure a ajuda de um especialista. Se ele for a um neurologista, é importante ressaltar que sente dores de cabeça frequentes e perguntar se ele trata esse tipo de problema. Senão, peça que ele lhe indique um especialista”, finaliza.

Além dos medicamentos, é importante praticar atividade física. Se você tem dores recorrentes, procure fazer ioga, pilates ou caminhada, pois esses exercícios liberam endorfinas, que são ótimos aliados no controle da dor.

The post Enxaqueca: um problema sério appeared first on Dr. Drauzio Varella.

Dr. Drauzio Varella