Vitamina D, quercetina e sauna na prevenção de coronavírus

Por: Dr. Mercola

RESUMO

  • Enquanto o surto de COVID-19 continua a se espalhar pelo mundo, mais de 80 ensaios clínicos estão em andamento, testando remédios que variam de vitamina C e células-tronco intravenosas a medicamentos para HIV e medicamentos contra a malária.
  • Foi demonstrado que um derivado da quercetina fornece proteção de amplo espectro contra uma ampla gama de vírus, incluindo SARS. Pesquisadores canadenses e chineses estão agora colaborando em um estudo para avaliar a eficácia da quercetina contra a infecção por COVID-19
  • A quercetina é um potente reforço imunológico e antiviral de amplo espectro. Também inibe a liberação de citocinas pró-inflamatórias, o que pode ser benéfico, pois a infecção grave por COVID-19 e a morte subsequente parecem ser devidas à atividade da tempestade de citocinas
  • Embora não haja ensaios clínicos investigando a vitamina D especificamente para o coronavírus, há muitos dados mostrando que é um componente importante na prevenção e tratamento de influenza e infecções do trato respiratório superior
  • Outros nutracêuticos considerados úteis na prevenção da infecção por coronavírus incluem NAC, espirulina, beta-glucana, glucosamina, selênio, zinco, ácido lipóico e sulforafano

À medida que o surto de novos coronavírus, o COVID-19,1 continua se espalhando pelo mundo, pesquisadores buscam constantemente remédios eficazes. De acordo com um artigo da Nature de 15 de fevereiro de 2020, mais de 80 ensaios clínicos estão em andamento, testando remédios que variam de vitamina C intravenosa e células-tronco, desde sangue menstrual a medicamentos para HIV e medicamentos contra malária.

Há também um estudo analisando o soro obtido de pacientes que se recuperaram da infecção por COVID-19 confirmada em laboratório – a ideia é que ele conterá anticorpos que um paciente recém-infectado precisaria para combater a infecção com mais eficácia.

Dois outros remédios em potencial que disputam a atenção são a quercetina e a vitamina D. Além de serem conhecidos por seus benefícios imunológicos e antivirais, eles também são baratos e amplamente disponíveis.

A quercetina pode minimizar a infecção de COVID-19?

Conforme relatado por Maclean, pesquisadores canadenses Michel Chrétien e Majambu Mbikay começaram a investigar a quercetina após a epidemia de SARS que eclodiu em 26 países em 2003. Eles descobriram que um derivado da quercetina fornecia proteção de amplo espectro contra uma ampla variedade de vírus, incluindo SARS.

O surto de Ebola em 2014 ofereceu outra chance de investigar os poderes antivirais da quercetina e, também aqui, eles descobriram que efetivamente evitava a infecção em camundongos, “mesmo quando administrados apenas alguns minutos antes da infecção”.

Assim, quando o surto de COVID-19 foi anunciado na cidade de Wuhan, na China, no final de dezembro de 2019, Chrétien entrou em contato com colegas na China com uma oferta de ajuda. Em fevereiro de 2020, Chrétien e sua equipe receberam um convite oficial para iniciar os ensaios clínicos:

“Os cientistas canadenses e chineses colaborariam nos ensaios, que incluiriam cerca de 1.000 pacientes. Chrétien e Mbikay planejam se juntar a colegas do International Consortium of Antivirals, sem fins lucrativos – que Chrétien co-fundou com Jeremy Carver em 2004 como resposta à epidemia de SARS – na administração de um centro de comunicações 24 horas por dia, 7 dias por semana, 7 dias após o início dos ensaios clínicos.

A Food and Drug Administration dos EUA já aprovou a quercetina como segura para consumo humano, o que significa que os pesquisadores podem pular testes em animais. Se o tratamento funcionar, estará prontamente disponível. A equipe de Chrétien diz que o tratamento custaria apenas US $ 2 por dia”.

A quercetina é um potente reforço imunológico

Pesquisas já demonstraram que a quercetina é um potente reforço imunológico e antiviral de amplo espectro. Como tal, pode ser útil tanto na prevenção quanto no tratamento da infecção por COVID-19.

Como observado em um estudo de 2016 na revista Nutrients, os mecanismos de ação da quercetina incluem a inibição da produção do fator de necrose tumoral α (TNF-α) induzida por lipopolissacarídeo (LPS) em macrófagos.

O TNF-α é uma citocina envolvida na inflamação sistêmica, secretada por macrófagos ativados, um tipo de célula imune que digere substâncias estranhas, micróbios e outros componentes nocivos ou danificados. A quercetina também inibe a liberação de citocinas pró-inflamatórias e histamina, modulando o influxo de cálcio na célula.

De acordo com este artigo, a quercetina também estabiliza os mastócitos e tem “um efeito regulador direto nas propriedades funcionais básicas das células do sistema imunológico”, o que permite inibir ” alvos moleculares na faixa de concentração micromolar, por regulação negativa ou suprimindo muitas vias e funções inflamatórias.”

Como a quercetina inibe a infecção viral

Um dos atributos mais bem estudados da quercetina, no entanto, é sua capacidade antiviral, que foi atribuída a três mecanismos principais de ação:

Inibindo a capacidade do vírus de infectar células

Inibindo a replicação de células já infectadas

Reduzir a resistência das células infectadas ao tratamento com medicamentos antivirais

Uma pesquisa financiada pelo Departamento de Defesa dos EUA, publicada em 2007, descobriu que reduz o risco de doença viral após estresse físico extremo, o que poderia prejudicar sua função imunológica e torná-lo mais suscetível a infecções.

Ciclistas que receberam uma dose diária de 1.000 mg de quercetina em combinação com vitamina C (que aumenta os níveis plasmáticos de quercetina) ​​e niacina (para melhorar a absorção) por cinco semanas tiveram uma probabilidade significativamente menor de contrair uma doença viral após andar de bicicleta três horas por dia por três dias consecutivos, em comparação com controles não tratados. Enquanto 45% do grupo placebo ficou doente, apenas 5% do grupo de tratamento ficou.

Em outro estudo financiado pela Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa dos EUA (DARPA), publicado em 2008, os animais tratados com quercetina foram desafiados com um vírus da gripe H1N1 altamente patogênico. Novamente, o grupo de tratamento teve morbimortalidade significativamente menor do que o grupo placebo.

A quercetina trata eficazmente uma ampla gama de vírus

Outros estudos também confirmaram a eficácia da quercetina contra uma ampla gama de vírus. Entre eles:

Um estudo de 1985, que descobriu a quercetina inibe a infecção e a replicação do vírus do herpes simplex tipo 1, do vírus da poliomielite tipo 1, do vírus da parainfluenza tipo 3 e do vírus sincicial respiratório.

Um estudo realizado em 2010 em animais descobriu que a quercetina inibe os vírus influenza A e B. Duas outras descobertas importantes foram feitas. Em primeiro lugar, os vírus não conseguiram desenvolver resistência à quercetina e, em segundo lugar, quando usados ​​concomitantemente com medicamentos antivirais (amantadina ou oseltamivir), o efeito foi significativamente amplificado – e impediu o desenvolvimento de resistência a medicamentos.

Um estudo realizado em 2004 em animais, investigando o efeito da quercetina na gripe, utilizou uma cepa do vírus H3N2. Segundo os autores:

“Durante a infecção pelo vírus influenza, há ‘estresse oxidativo’. Como a quercetina restaurou as concentrações de muitos antioxidantes, propõe-se que seja útil como um medicamento na proteção do pulmão dos efeitos deletérios dos radicais livres derivados do oxigênio liberados durante a infecção pelo vírus influenza “.

Outro estudo de 2016 descobriu que a quercetina oferecia proteção contra o vírus influenza A H1N1, modulando a expressão da proteína. Mais especificamente, a regulação de proteínas de choque térmico, fibronectina 1 e proibitina foi fundamental para reduzir a replicação viral.

Um terceiro estudo publicado em 2016 descobriu que a quercetina inibe um amplo espectro de cepas de influenza, incluindo H1N1, H3N2 e H5N1. Segundo os autores, “este estudo indica que a quercetina mostrando atividade inibitória no estágio inicial da infecção por influenza fornece uma opção terapêutica futura para desenvolver produtos naturais eficazes, seguros e acessíveis para o tratamento e profilaxia das infecções por [vírus influenza A]”.

Em 2014, os pesquisadores observaram que a quercetina parece ser “um tratamento promissor para o resfriado comum”, causado pelo rinovírus, acrescentando que “foi demonstrado que a quercetina reduz a internalização e replicação viral in vitro e a carga viral, inflamação pulmonar e hiperplasia das vias aéreas”.

Atenuando o dano oxidativo, também reduzindo o risco de infecções bacterianas secundárias, que na verdade é a principal causa de mortes relacionadas à influenza. É importante ressaltar que a quercetina aumenta a biogênese mitocondrial no músculo esquelético, o que sugere que parte de seus efeitos antivirais se deve ao aumento da sinalização antiviral mitocondrial.

Outros estudos confirmaram o poder da quercetina de inibir a infecção pela hepatite B22 e C23.

A importância da vitamina D

No vídeo apresentado no MedCram, o pneumologista Dr. Roger Seheult discute a importância da vitamina D para a prevenção do COVID-19. Embora haja poucos estudos investigando a vitamina D especificamente para o coronavírus, existem muitos dados mostrando que é um componente importante na prevenção e tratamento da influenza e infecções do trato respiratório superior.

Como observado por Seheult, embora a vitamina D não pareça ter um efeito direto sobre o próprio vírus, ela fortalece a função imunológica, permitindo assim que o organismo hospedeiro combata o vírus com mais eficácia. Também suprime os processos inflamatórios. Tomados em conjunto, podem tornar a vitamina D bastante útil contra o COVID-19.

Conforme explicado por Seheult, é necessária uma função imunológica robusta para o seu corpo combater o vírus, mas um sistema imunológico superativado também é responsável pela tempestade de citocinas que vemos na infecção por COVID-19 que pode levar à morte.

“O que queremos é um sistema imunológico inteligente”, diz Seheult, “um sistema imunológico que cuida do vírus, mas não nos coloca em uma condição inflamatória que pode nos colocar no hospital”.

Suplementação de vitamina D reduz as taxas de infecção respiratória

Ele continua citando pesquisas publicadas em 2017 – uma metanálise de 25 ensaios clínicos randomizados – que confirmaram que a suplementação de vitamina D ajuda a proteger contra infecções respiratórias agudas. Estudos também mostraram que há uma aparente associação entre baixos níveis de vitamina D e suscetibilidade a infecções virais, como a gripe.

Viver em latitudes ao norte significa que você recebe a menor quantidade de luz solar durante os meses de inverno, resultando em níveis mais baixos de vitamina D, e uma hipótese é que a sazonalidade da gripe esteja relacionada ao fato de que a maioria das pessoas tem níveis mais baixos de vitamina D no inverno do que no verão.

Por exemplo, pesquisas publicadas em 2009 apontam que as taxas de mortalidade durante a pandemia de influenza de 1918-1919 foram influenciadas pela estação, com um número maior de pessoas morrendo durante o inverno do que no verão.

Resta ver se essa sazonalidade se aplica ao COVID-19 também. Se isso acontecer, o que é bem provável, é bem possível que níveis mais altos de vitamina D fortaleçam a função imunológica o suficiente para que o vírus não consiga ultrapassar o sistema.

A meta-análise de 2017 também fez outra descoberta importante. Quando investigaram mais profundamente os dados de cada um dos mais de 11.000 participantes, descobriram que era a suplementação diária ou semanal de vitamina D que tinha o maior efeito protetor naqueles com os níveis mais baixos de vitamina D.

Aqueles com deficiência severa de vitamina D que tomaram um suplemento diário ou semanal reduziram pela metade o risco de infecção respiratória. Aqueles com níveis basais mais altos também diminuíram seu risco, embora em menor grau.

Isso apoia a recomendação de manter um nível ideal de vitamina D durante o ano todo. De acordo com dados dos estudos da “Action of GrassrootsHealth”, o nível ideal para prevenção de doenças e saúde parece estar entre 65 nanogramas por mililitro (ng / mL) e 80 ng / mL, enquanto o ponto de corte para suficiência parece estar em torno de 40 ng/ mL.

Em uma análise da GrassrootsHealth, 33 pessoas com um nível de vitamina D de pelo menos 40 ng/ mL reduziram o risco de resfriados em 15% e gripe em 41%, em comparação com aqueles com um nível abaixo de 20 ng/ mL.

Sensibilidade do COVID-19 à altas temperaturas

Uma investigação chinesa recente sugere que o COVID-19 é altamente sensível a altas temperaturas e se espalha mais rapidamente em climas mais frios; sua propagação mais rápida está ocorrendo a uma temperatura de 8,72 graus Celsius (47,7 graus Fahrenheit)

A febre é um mecanismo central pelo qual seu corpo combate a infecção viral. Você pode simular uma febre elevando a temperatura corporal central em uma sauna, banho de vapor ou fazendo movimentos físicos para induzir a transpiração

Vários estudos investigaram os efeitos antivirais do banho de sauna. Por exemplo, um estudo clínico envolvendo 50 voluntários mostrou que os banhistas regulares da sauna tinham metade da taxa de resfriado comum em comparação aos não usuários. Aqueles que usam uma sauna pelo menos duas ou três vezes por semana também têm um risco menor de influenza e pneumonia

O uso da sauna mata bactérias, fungos, parasitas e vírus e aumenta sua função imunológica, aumentando a contagem de glóbulos brancos, linfócitos, neutrófilos e basófilos. Ao elevar a temperatura central, seu corpo também libera proteínas de choque térmico que ajudam a bloquear a replicação dos vírus influenza

Os coronavírus (como um grupo geral) incubam em seu peito por cerca de três dias antes de descer para os pulmões e parecem ser destruídos por temperaturas em torno de 56 graus Celsius, que podem ser facilmente alcançadas em uma sauna.

Ainda não sabemos muito sobre o novo coronavírus, o COVID-19, mas os pesquisadores estão começando a montar o quebra-cabeça à medida que avançamos. Por exemplo, uma recente investigação chinesa sugere que o COVID-19 é “altamente sensível” a altas temperaturas e se espalha mais rapidamente em climas mais frios; sua propagação mais rápida está ocorrendo a uma temperatura de 8,72 graus Celsius.

Os pesquisadores recomendam que países com climas mais frios “adotem as mais rígidas medidas de controle” para limitar a propagação da doença. Hassan Zaraket, diretor assistente do Centro de Pesquisa de Doenças Infecciosas da Universidade Americana de Beirute, comentou as conclusões preliminares do South China Morning Post:

“À medida que as temperaturas estão esquentando, a estabilidade do vírus pode diminuir … se o tempo nos ajudar a reduzir a transmissibilidade e a estabilidade ambiental do vírus, talvez possamos quebrar a cadeia de transmissão”.

Você não precisa esperar a chegada do verão, para aproveitar os benefícios potenciais do calor. James DiNicolantonio, Pharm.D., Cientista de pesquisas cardiovasculares do Saint Luke’s Mid America Heart Institute, destacou recentemente um mecanismo central pelo qual seu corpo combate infecções virais, a febre.

A febre é a maneira do seu corpo aumentar a temperatura corporal central, e a maioria dos patógenos não se sai bem em altas temperaturas. James DiNicolantonio argumenta que a alta exposição ao calor ativa proteínas de choque térmico que podem impedir a exportação de nucleoproteínas virais, suprimindo a replicação viral. Assim, a terapia de sauna pode ter potencial contra vírus de RNA, particularmente antes ou no início da infecção.

Banho na sauna reduz risco de doenças virais

As maneiras pelas quais você pode elevar sua temperatura corporal de forma aguda e temporária incluem banho na sauna, banho de vapor, movimento físico para induzir a transpiração ou simplesmente vestir roupas quentes, porém a sauna é mais eficaz.

.

Primal Brasil

Coronavírus: a televisão vs o bom senso

.

Coronavírus: a televisão e governadores estrelinhas vs o povo, a razão e o bom senso (veja no final do artigo as dicas para sintomas de coronavírus).

Fatos e pensamentos sobre o COVID-19 que você NUNCA irá encontrar na mídia trapaceira e que deveriam CHOCAR você se você já não saiba:

Os níveis de obesidade e sobrepeso são correlacionados os níveis de depressão que estão aumentando em meio a crise.

As mortes por coronavírus são prioritariamente decorrentes da obesidade, diabetes, hipertensão e sobrepeso… Todos os quais podem ser facilmente resolvidos com dieta se a mídia ou se os políticos ignorantes tivessem a capacidade, e a honestidade intelectual de direcionar os esforços da pandemia.

No Brasil há em torno de 850 mil mortes anuais por câncer e doenças cardíacas, sendo que a obesidade é causadora direta de uma parcela ENORME destas mortes, sem contar o sobrepeso e a resistência à insulina.

90% das mortes pelo novo coronavírus são de pessoas com pelo menos 1 pré-condição séria de saúde, e na maioria dos casos há pelo menos 2 a 3 comorbidades, ou seja, o indivíduo já estava no limite, já iria ou poderia morrer a qualquer momento por infecções virais diversas, infecções bacterianas, causando os mesmos quadros de infecções pulmonares ou sepse.

Resumindo: muitos deles se não fossem pelo coronavírus iriam contrair qualquer outra doença e morrer, pois o AMBIENTE do organismo é TOTALMENTE pró-doença, um ambiente baixo em oxigênio e resistente à insulina. Em 80% dos casos em uma idade já é avançada junto com estas comorbidades.

Uma parcela dos óbitos são de pacientes com câncer que já morreram por causa do câncer mesmo ou já morreriam de câncer brevemente, mas foram classificados como morte por corona, pois já haviam contraído o vírus… Se outro vírus fosse identificado neste ano ou anos anteriores, a morte não seria classificada por morte de vírus, mas sim morte por câncer.

Não há como fugir do vírus, países que não fizeram o isolamento ou que apenas fizeram um pouco de isolamento VERTICAL saíram melhor do que muitos dos países que fizeram isolamento HORIZONTAL dracônico. Acertou, a Suécia saiu melhor que os EUA, que a Inglaterra, Espanha, Itália, entre muitos outros que fizeram o isolamento horizontal.

Não há como fugir, apenas com dieta.

As projeções indicam que inevitavelmente mais de 60% da população irá desenvolver imunidade ao vírus neste ano e não há como escapar, a não ser que fique trancado por 1, 2 ou para sempre, o que irá matar todo mundo de pobreza se fosse acontecer e ainda haveria grandes chances de contrair, pois farmácias, supermercados e mercadorias recebidas em casa podem ser muito mais condutoras ao vírus do que comer num restaurante, fazer compras em lojas ou trabalhar no escritório. Não tem muito como fugir nem com a quarentena, nem com nada, só com a saúde mesmo.

Não há garantia de vacinas, não há garantia de que irá funcionar e, por fim, vacinas não são solução para a saúde. Não possuem nem 0,1% do poder que a dieta e hábitos de vidas saudáveis possuem em prevenir qualquer doença. É um erro grotesco e uma ilusão tremenda achar que uma vacina irá salvar sua saúde e fazer com que viva mais. Os vírus e bactérias estão por toda parte. Há 100 trilhões de bactérias no corpo, múltiplas vezes mais que células, e possivelmente o mesmo de vírus, embora estes só sejam possíveis de atestar esta abundância no nosso exterior.

Viver em um ambiente estéril também seria um erro gigantesco visto que isso causaria um colapso na nossa imunidade inata natural. Isso é imunologia BÁSICA. Quanto mais estéril o ambiente mais fraca é a imunidade do ser humano. O Ser humano PRECISA de exposição continua a vírus e bactérias do ambiente para ter um sistema imune saudável. Novamente, isso é imunologia BÁSICA… Se tirarmos isso do ser humano, as doenças aumentam, como já vem aumentando por este motivo também nas últimas décadas.

As projeções indicam que as mortes decorrentes da recessão econômica deverão ultrapassar com folga o número de mortos pelo corona vírus, sendo que algumas projeções sugerem que a cada 1% do PIB retraído 5 a 10 mil mortes ocorrerão como consequência da fome, desnutrição, mortalidade INFANTIL, violência, suicídio, abuso de drogas, alcoolismo, entre outros possíveis fatores.

Mortes por suicídios estão em alta e mortes por abuso de drogas e álcool poderão subir

A alguns indícios de que a obesidade poderá aumentar decorrente do confinamento e os relatórios bimestrais das grandes indústrias de alimentos processados nos Estados Unidos demonstraram RECORDS de vendas com seus consumidores mais vorazes do que nunca.

Não há evidencias de que o isolamento social funcione a longo prazo, muito pelo contrário, quando outrora só havia bom senso indicando isso, agora as evidências estão acumulando de que a longo prazo não haverá diferença substancial nos níveis de infecções pelo vírus, mas a recessão econômica sim, há indícios históricos muito bem documentados de que causam um grande número de óbitos, incluindo mortalidade INFANTÌL.

Há um medo infundado propagado pela mídia LIXO desse país, médicos tendenciosos, previamente selecionados pela mídia tendenciosa, já doutrinados pela agenda do medo e do ódio das emissoras de televisão e toda sua premissa científica falsa e incomprovada,  já plantado do subconsciente da população brasileira amedrontada, que ignora décadas e séculos de tradição e bom senso.

A televisão brasileira vem há décadas continuando sua companha de emburrecimento, alienação e controle populacional. E está funcionando muito bem, por enquanto.

Há uma grande parcela da população profundamente insatisfeita com isso, mas a campanha do medo da mídia LIXO não se abala

Pessoalmente conheço muita gente que deixou de fazer dieta, exercícios e passaram a beber mais durante a quarentena, o que obviamente aumentam seu risco de complicações de saúde, exatamente o oposto do que aconteceria se estivessem treinando livremente nos parques, nas piscinas ou academias.

Os dados atuais de anticorpos indicam que grande parte da população americana e Europeia já foi acometida pelo vírus,  com as estimativas de que 40% de Nova York já contraiu o novo vírus romântico, 15% da Califórnia e 20% de todo o Estados Unidos, com estimativas semelhantes em países Europeus.

Isso demonstra que a taxa de mortalidade do vírus é MUITO MENOR do que estimada sendo em torno de 0,1% em Nova York e 0,03% na Califórnia… Repetindo 0,03%, não 0,3% ou 3%.

Isso pode ser devido a vários fatores incluindo, população mais nova na Califórnia, clima mais quente e níveis de vitamina D mais altos do que nova York, além de uma densidade populacional mais baixa que diminuí a velocidade do espalhamento do vírus. O mesmo se diz para Florida que reabriu cedo e possui o nível de mortes muito baixo.

Com a taxa de mortalidade similar a da velha gripe comum e conhecida, o novo vírus continuará matado a população indiretamente por meio do shutdown econômico, e do aumento de mortalidade por outras doenças decorrente da omissão do paciente na busca de atendimento médico para condições de saúde sérias como o câncer, falta de procedimentos cirúrgicos emergenciais e todas as outras mortes que qualquer recessão naturalmente causam.

E finalmente, fica a mensagem simples e óbvia

Vírus são comuns, eles vão e vem e eles não podem destruir o país e ser um problema muito maior do que são de fato.

 O maior escudo contra vírus inclusive os novos, é a dieta adequada, ou seja baixa resistência à insulina e baixo IMC, sono adequando e algum nível condicionamento físico. A ciência é irrefutavelmente clara quanto a isso.

Só há duas opções: ou aprenderemos como população, com nossos erros e não cairemos mais nas artimanhas da mídia e nunca mais fecharemos a economia por qualquer vírus novo e relativamente inofensivo (ou tão severo como a velha gripe), ou continuaremos no futuro vivendo amedrontado, usando mascaras inúteis e causando muito mais mortes do que o vírus em sim, sem tratar a real causa do problema, a resistência à insulina e a obesidade.

Lembre-se:

2,5 milhões de Brasileiros morrem por ano e isso não vai mudar provavelmente nesta geração ou próximas.

As mortes pelo vírus são quase estatisticamente insignificantes de um ponto de vista científico no Brasil. E não é o vírus que mata, são os hábitos da pessoa que contraiu que mata em mais de 96% dos casos pelo menos.

A forma mais eficaz de aumentar a expectativa de vida é uma dieta saudável, um pouco de exercício, sono adequado inclui com CERTEZA não ficar trancado em casa. E com certeza não é se preocupando com coronavírus, mais sem com câncer e doenças cardíacas que matam mais da METADE da população ao longo da vida, em contraste com o vírus que deve matar em torno de 0,001% da população neste ano.

Causar 50, 100 ou 200 mil mortes pela retração econômica não vale o preço para tentar salvar a vida de 5 ou 10 mil pessoas com uma quarentena sem provas de impedir a proliferação do vírus, que pelo que todos os dados indicam, não há como impedir com que o vírus espalhe, nem com as medicas mais rígidas (Lembre-se de Nova York que ficou fechada por 50 dias e mesmo assim 40% da população já foi infectada e em poucas semanas chegará no máximo).

Ou a população fica mais esperta, ou teremos um colapso econômico sem concerto, ou agora ou no futuro próximo causado pela mídia e políticos oportunistas que dependem da mesma para aparecer.

A única solução para que seus filhos vivam um futuro com condições semelhantes ou melhores do que antes da crise é não aceitar esta palhaçada toda. Caso contrário, será um declínio populacional contínuo em termos culturais, econômicos, morais e intelectuais. Poderá ser um futuro sombrio e irreconhecível se a população continuar aceitando o circo da mídia e mais um víruszinho da moda relativamente inofensivo certamente chegará e causara mais um TREMENDO estrago desnecessário na sociedade.

Se você contrair o vírus há 95% de chances de não ter nenhum sintoma. Se você é magro e/ou jovem, as chances são muito melhores. Mas caso tenha algum sintoma fica aqui as dicas:

.

Caso você contraia o vírus e faça parte de 1 das 20 pessoas que terão alguns dos sintomas, as dicas são as seguintes:

Vitamina C 1500mg a cada meia hora até passar os sintomas (irá acelerar substancialmente o tempo de recuperação – Ps. Sem risco de toxidade/ hipervitaminose)

Terapia de Ozônio (principalmente insuflação retal se estiver em casa e tratamento do sangue se encontrar alguma clínica no Brasil)

Inalador de peroxido de hidrogênio, na concentração de menos de 3%. Veja com seu farmacêutico, pois doses puras ou muito mais altas podem ser fatais.

Óleo de peixe (6 cápsulas de qualidade por dia ou Krill)

Colostro 1 a 3g por dia (deixar dissolver na boca)

Multivitamínico com complexo B (eu uso o life extension e compro pelo iherb)

Magnésio 1200 mg por dia

Altas doses de melatonina 15 a 25mg por noite até passar

100 a 200 mg de Zinco por dia

Própolis (antiviral e bacteriano potente)

Ir para o hospital logo se os sintomas piorarem rápido!! De preferência cedo para ser atendido.

.

Para a prevenção além da dieta low carb, exercícios e sono adequado, tomar o multivitaminico da life extension que tem complexo B, óleo de peixe e magnésio na dose de 400mg por dia:

Vitamina D 5000 a 10.000 unidades por dia (ou melhor ainda, o sol)

Otimizadores mitocondriais como PQQ, acido alfa lipóico, órégano, sálvia e louro, suplemento de cúrcuma (marca longvida principalmente), coenizima q10, resveratrol com MNM (marca tru niagen), entre diversos outros que tomo e venho divulgando ao longo do tempo.

Sauna ajuda bastante a desenvolver o sistema imune e prevenir gripes e resfriados.

Continue lendo o blog para saber mais. Obrigado

Primal Brasil

Por que pra algumas pessoas o vírus é leve? | Coronavírus #37

Apesar de não sabermos o porquê de alguns casos do coronavírus serem mais graves, é possível analisar os grupos de risco e reforçar as medidas de prevenção.

 

Por que alguns infectados pelo coronavírus têm uma doença grave e outros têm uma doença bem mais benigna? A gente não sabe essa resposta. A gente sabe estatisticamente: os mais velhos, aqueles com doenças crônicas de base, aqueles com problemas imunológicos têm mais risco de ter doença grave.

Mas nós não sabemos explicar por que alguns jovens têm uma doença muito tranquila, não passa de um mal-estar, um pouco de tosse, uma febrícula e em alguns dias se sentem muito melhor. Enquanto outros têm uma doença mais pesada. Mesmo o fato de você ser jovem não quer dizer que você vai ter uma doencinha de nada. Não, isso não. Quer dizer que você corre um risco muito menor de ter uma doença muito grave e de morrer.

Veja também: Qual o tratamento para coronavírus? | Coronavírus #17

Mas a condição física não garante a benignidade da doença, isso é muito importante. Nós temos atletas competitivos aí, gente em nível de disputar olimpíada que adquiriram o vírus e tiveram uma doença que castigou, deixaram eles meio quebrados por alguns dias e tudo.

Então, é por isso que não pode dizer “não, isso aí é uma doença que só mata velho”. Não, não é verdade. É preciso tomar cuidado e tomar as medidas porque ninguém vai gostar de ter uma doença que, embora não te faça correr risco de morte, te joga na cama por vários dias.

The post Por que pra algumas pessoas o vírus é leve? | Coronavírus #37 appeared first on Drauzio Varella.

Drauzio Varella