Seu cérebro responde diferente a várias formas de exercícios

Por: Dr. mercola

 

HISTÓRIA RESUMIDA

– O exercício de baixa e alta intensidade afeta redes funcionais específicas dentro do cérebro em repouso e após o exercício.

-Embora dois tipos de exercícios em um estudo tenham levado a aumentos significativos no humor positivo e nenhuma alteração no humor negativo, foram observadas diferenças nas redes de conectividade funcional.

-Após o exercício de baixa intensidade, a conectividade funcional associada ao processamento cognitivo e à atenção aumentou, enquanto o exercício de alta intensidade levou ao aumento da conectividade funcional nas redes envolvidas nos processos afetivos e emocionais.

-A força das pernas pode ser usada como um forte indicador da saúde do cérebro.

-Uma revisão sistemática sobre os efeitos do yoga na saúde do cérebro revelou que essa forma de exercício pode potencialmente mitigar declínios relacionados à idade e neurodegenerativos.

-Há benefícios a serem obtidos em muitas formas diferentes de exercício, desde o HIIT até exercícios de baixa intensidade, treinamento de força e ioga; alternar regularmente atividades diferentes para sua rotina de exercícios manterá seu cérebro forte.

 

A atividade física melhora os processos afetivos, cognitivos e de atenção no cérebro nos minutos e horas após o exercício, que os pesquisadores acreditavam poder ser devido a alterações na atividade neuronal coerente, também conhecida como “conectividade funcional do estado de repouso. Estudos anteriores descobriram um aumento após treinamento repetido a longo prazo.

Por exemplo, 16 semanas de exercício levaram a um aumento mais forte entre o giro parahippocampal direito e as áreas motoras, sensoriais e de regulação do humor, escreveram os pesquisadores, enquanto 12 semanas de exercício também estavam ligadas ao aumento da conectividade funcional que leva a um melhor desempenho motor.

Seu estudo, no entanto, é o primeiro a analisar os efeitos transitórios do exercício nas redes funcionais do cérebro em repouso.

Exercícios de baixa e alta intensidade afetam o cérebro de maneira diferente.

O estudo, conduzido pelos pesquisadores do Hospital Universitário de Bonn, em Bonn, Alemanha, envolveu 25 atletas do sexo masculino que se exercitavam pelo menos três vezes por semana durante 45 minutos nos últimos dois anos.

Eles realizaram 30 minutos de exercícios de baixa e alta intensidade em dias separados, e a ressonância magnética funcional em estado de repouso (rs-fMRI) foi usada para monitorar a conectividade funcional no cérebro.

Os participantes também preencheram questionários relacionados ao seu humor antes e depois das sessões de exercícios. Embora os dois tipos de exercícios levaram a aumentos significativos no humor positivo e a nenhuma mudança no humor negativo, foram observadas diferenças nas redes de conectividade funcional.

Especificamente, após o exercício de baixa intensidade, a conectividade funcional associada ao processamento cognitivo e à atenção foi aumentada, enquanto o exercício de alta intensidade levou ao aumento da conectividade funcional nas redes envolvidas nos processos afetivos e emocional.

Os pesquisadores principais Angelika Schmitt e Dr. Henning Boecker, do Hospital Universitário de Bonn, explicaram em um comunicado à imprensa:

“Acreditamos que a neuroimagem funcional terá um grande impacto para desvendar as interações corpo/ cérebro. Esses novos métodos nos permitem” olhar “diretamente no cérebro de um grupo de atletas e, talvez ainda mais importante, entender as mudanças dinâmicas no cérebro, estrutura e função associadas à transição de um estilo de vida sedentário para um estilo de vida saudável”.

Exercícios de alta intensidade aumentam a memória

O exercício beneficia seu cérebro e seu humor através de múltiplos mecanismos, incluindo a criação de novos neurônios excitáveis ​​junto com novos neurônios projetados para liberar o neurotransmissor ácido gama-aminobutírico (GABA), que inibe o disparo neuronal excessivo, ajudando a induzir um estado natural de calma.

Isso é semelhante à maneira como os medicamentos anti-ansiedade funcionam, exceto que os benefícios do exercício para melhorar o humor ocorrem imediatamente após o treino e continuam a longo prazo. Além do humor, exercícios de alta intensidade ajudam a melhorar a memória, melhorando a função do hipocampo, de acordo com uma pesquisa canadense.

O estudo envolveu 95 jovens adultos saudáveis. Um grupo completou seis semanas de treinamento intervalado de alta intensidade (HIIT) mais treinamento cognitivo, o outro grupo de tratamento fez o HIIT apenas, enquanto o grupo controle permaneceu inativo e não recebeu treinamento cognitivo.

Ambos os grupos HIIT experimentaram melhorias significativas na memória de alta interferência. Ter boa memória de interferência significa que você pode integrar perfeitamente novas informações, permitindo distinguir as novas das antigas.

Além disso, aqueles com os maiores ganhos de condicionamento físico tiveram maiores aumentos no fator neurotrópico derivado do cérebro (BDNF), que apoia o crescimento e a sobrevivência das células cerebrais.

Como tal, é possível que o exercício de alta intensidade também possa ter um papel na redução do risco de demência, incluindo a doença de Alzheimer ou na melhoria da memória naqueles já diagnosticados com a doença. A principal autora do estudo, Jennifer Heisz, disse em um comunicado:

“Melhorias nesse tipo de memória do exercício podem ajudar a explicar o vínculo previamente estabelecido entre o exercício aeróbico e o melhor desempenho acadêmico. No outro extremo do nosso ciclo de vida, à medida que atingimos nossos últimos anos, podemos esperar obter benefícios ainda maiores.”

A melhora da aptidão cardiovascular é boa para o cérebro

Manter a forma é essencial para a boa saúde, e um tipo de condicionamento físico é o cardiovascular, que pode ser usado como uma medida de quão bem o sangue está circulando no coração e no cérebro. Pesquisadores da Universidade de Gotemburgo, na Suécia, revelaram que mulheres com maior aptidão cardiovascular tinham um risco 88% menor de demência do que aquelas com moderada aptidão.

Além disso, vale a pena manter a aptidão média para cima, pois as mulheres com a aptidão mais baixa tiveram um risco 41% maior de demência do que aquelas com aptidão média. Aptidão, nesse caso, não é o mesmo que tempo de exercício e o estudo não mediu com que frequência as mulheres se exercitavam. É possível, de fato, que boa aptidão cardiovascular e exercícios possam proteger o tecido cerebral à medida que envelhecemos.

Por exemplo, pesquisas anteriores revelaram que o exercício previne o encolhimento do cérebro relacionado à idade, preservando a substância cinzenta e branca nos córtex frontal, temporal e parietal, evitando a deterioração cognitiva. Os autores afirmaram que:

“Esses resultados sugerem que a aptidão cardiovascular está associada à economia de tecido cerebral em humanos idosos. Além disso, esses resultados sugerem uma forte base biológica para o papel da aptidão aeróbica na manutenção e melhoria da saúde do sistema nervoso central e do funcionamento cognitivo em adultos mais velhos. ”

Achados semelhantes foram encontrados por outros cientistas. Um estudo observacional que acompanhou mais de 600 idosos a partir dos 70 anos descobriu que aqueles que praticavam mais exercícios físicos apresentaram a menor quantidade de encolhimento cerebral durante um período de acompanhamento de três anos.

Força muscular da perna ligada à saúde do cérebro

O treinamento de força também tem um papel benéfico a desempenhar na saúde do cérebro, e isso inclui exercícios para os músculos das pernas. Curiosamente, se você não consegue realizar exercícios de carga, você não apenas perde massa muscular, mas a química do seu corpo é afetada de tal maneira que seu sistema nervoso e cérebro também se deterioram.

Ao não usar os músculos das pernas, um gene chamado CDK5Rap1 é afetado negativamente, e esse gene desempenha um papel importante na saúde e na função mitocondrial.

“A limitação severa do movimento pode influenciar não apenas os sistemas motor e metabólico, mas também o sistema nervoso, alterando a neurogênese e a interação entre os neurônios motores e as células musculares”, escreveram os pesquisadores na ‘’Frontiers in Neuroscience.”

Eles afirmaram que existe uma ligação entre uma redução no exercício, desuso muscular e metabolismo no cérebro. O oposto também se aplica: ao usar e fortalecer os músculos, também beneficia o cérebro.

O BDNF, que novamente é estimulado pelo exercício, não apenas promove a neurogênese no cérebro, mas, no sistema neuromuscular, o BDNF protege o neurônios motores, o elemento mais crítico do músculo, da degradação. Seu corpo é feito para suportar peso, e exercícios de sustentação de peso são necessários para que seu cérebro funcione de maneira ideal.

Um estudo de 2016 da revista Gerontology descobriu que trabalhar os músculos das pernas ajuda a manter a função cognitiva à medida que envelhece. Segundo os autores, simplesmente caminhar mais pode ajudar a manter a função cerebral até a velhice. O estudo acompanhou 324 mulheres gêmeas, com idades entre 43 e 73 anos, durante uma década, testando a função cognitiva e a força das pernas.

Curiosamente, a força das pernas foi considerada um melhor preditor para a saúde do cérebro do que qualquer outro fator de estilo de vida que eles revisaram. Consistentemente, a gêmea com maior força nas pernas manteve um funcionamento cognitivo mais elevado ao longo do tempo em comparação com a gêmea mais fraca. Os mais fortes dos pares também experimentaram menos alterações cerebrais relacionadas à idade ao longo do tempo. O estudo observou que melhorar a força das pernas pode ser fundamental para o envelhecimento saudável:

O poder das pernas prediz o envelhecimento cognitivo e a estrutura cerebral global, apesar de compartilharem a genética comum e o ambiente da primeira infância. Intervenções direcionadas para melhorar a força das pernas a longo prazo podem ajudar a alcançar uma meta universal de envelhecimento cognitivo saudável. ”

.

Primal Brasil

Nova droga para artrite reumatoide ajuda quem não responde a remédio tradicional

Marina Teodoro

Aprovado em toda Europa, medicamento ainda não tem previsão de chegada ao Brasil; entenda como a doença reumatologica afeta as articulações

Mais de 2 milhões de pessoas sofrem com artrite reumatoide no Brasil%2C de acordo com o Ministério da Saúde

Mais de 2 milhões de pessoas sofrem com artrite reumatoide no Brasil%2C de acordo com o Ministério da Saúde

Foto: Pixabay

Dores nas articulações, inchaço – principalmente nas mãos e pés -, nódulos, vermelhidão e deformidade nos membros afetados: essa é a vida dos mais de 2 milhões de brasileiros que convivem com artrite reumatoide (AR).

Leia também: É preciso falar sobre fibromialgia: a importância do relato de Lady Gaga

Considerada uma das principais condições reumáticas ao lado da artrose, a artrite reumatoide também é lembrada no Dia Nacional da Luta Contra o Reumatismo, celebrado nesta segunda-feira (30), pelas novidades em seu tratamento que teve resultado positivo considerável para quem sofre com a doença.

No último mês, o 34º Congresso Brasileiro de Reumatologia, que aconteceu em Florianópolis, apresentou uma nova droga, o baricitinib, que demonstrou avanços significativos relacionados à melhora dos pacientes com a condição.

Trata-se de um medicamento de uso oral, o que já é considerado um ponto bastante positivo para facilitar o tratamento dos pacientes. Essa é a grande novidade na área da reumatologia, conforme declarou um dos principais especialistas de AR da atualidade, Josef Smolen, professor da Universidade Médica de Viena, na Áustria.

Josef Smolen%2C reumatologia

Josef Smolen%2C reumatologia

Foto: Divulgação

“Desde 2009 não temos novas drogas e novos tratamentos. Agora, neste ano, surgiram três novas drogas, entre elas o baricitinib, inibidor que age na estrutura da célula e serve para qualquer problema reumatológico”, analisa o professor.   

A substância está presente em um remédio chamado Olumiant, fabricado pelo laboratório farmacêutico Eli Lilly, que está disponível na Europa, mas ainda não tem data para chegada no Brasil.

O medicamento é indicado para o tratamento de AR ativa nos estágios moderado e grave em adultos que não tiveram resposta adequada aos tratamentos tradicionais da doença, os antirreumatismais modificadores da doença.

Smolen explica que as chances de respostas positivas dos pacientes aos remédios comuns são de 20% a 30%, usando qualquer droga. ”Quando esses tratamentos falham, a eficácia vai ser apenas de 10 a 15%. Por isso, qualquer nova medicação é uma oportunidade para tratar mais pessoas”, afirma.

Um estudo recente, e apresentado durante o congresso, apontou que com o uso de baricitinib a resposta positiva dos pacientes que participaram da pesquisa chegou até 60%. 

Leia também: Desinformação atrasa diagnóstico da artrite reumatoide

‘Tratamento não pode esperar’

A novidade é bastante aguardada pela comunidade médica e de pacientes no Brasil. Apesar de não haver cura, medicamentos especializados e fisioterapia fazem toda a diferença para a qualidade de vida do paciente com a condição. Sem ajuda médica, 20 a 30% das pessoas acometidas pela enfermidade podem ficar permanentemente incapazes de realizar suas atividades após três anos do diagnóstico.

Até que a nova droga seja aprovada em território nacional, Lívia Gonçalves, gerente médica autoimune do laboratório farmacêutico Eli Lilly, garante que a cobertura de medicamentos no Brasil é ampla e atende às necessidades da população.

“Há uma série de medicações disponibilizadas tanto no SUS quanto no setor privado. O sistema público é abastecido por todos os remédios orais, conhecidos como modificadores da doença, que são drogas sintéticas usadas para evitar o edema nas articulações, dor, limitação do movimento e degeneração óssea associada à doença. Quando os pacientes perdem a resposta e esse tipo de medicamento, podem progredir para os biológicos, que também são disponibilizados”, ressaltou Lívia.

Artrite é uma doença sem cura, mas que pode ser controlada com o uso de medicamentos e melhorada com o diagnóstico precoce

Artrite é uma doença sem cura, mas que pode ser controlada com o uso de medicamentos e melhorada com o diagnóstico precoce

Foto: Getty Images

O diagnostico precoce é outro artifício que pode ajudar no controle da doença. “A artrite reumatoide pode começar em qualquer idade. Pode atingir um bebê de dois meses ou um senhor de 90 anos. Mas o importante é tratar a doença assim que diagnosticada, e não esperar pois essa é uma doença que se modifica”, alertou o professor Smolen.

Converse com seu médico 

Autoimune, inflamatória, sistêmica e crônica, a doença é mais presente entre as mulheres e a incidência aumenta com a idade. O maior pico é entre os 30 e 50 anos. A artrite reumatoide provoca uma inflamação nas articulações, afetando seus revestimentos e provocando dores desconfortáveis e até impedindo a movimentação.

Apesar de comum, ainda falta informação à população sobre a AR. Uma das principais dúvidas é como ela ocorre. “A doença provoca uma reação no sistema imunológico, fazendo com que ele ataque os próprios tecidos e articulações do organismo”, explicou Lívia Gonçalves.

O reumatologista da Universidade Médica de Viena, na Áustria chama a atenção para uma medida importante, que deve ser tomada por quem recebe o diagnostico de artrite reumatoide além de fazer o tratamento. “Converse com o seu médico. Esteja preparado para fazer perguntas e só saia do consultório quando as dúvidas estiverem sanadas”, alerta Smolen, que reconhece o diálogo entre médico e paciente fundamental.

Leia também: “Artrite dói mais no inverno”: mito ou verdade?

Saúde: bem-estar, dicas de alimentação, dieta e exercícios – iG