8 coisas importantes sobre a dieta carnívora

Por: Mark Sisson

 

Alguns anos atrás, escrevi um post descrevendo todas as coisas que os seguidores da dieta Primal e low carb podem aprender com dietas vegetarianas. Certamente, somos diametralmente opostos ao papel dos alimentos de origem animal na saúde humana, mas ainda há sugestões relevantes.

Os carnívoros estão muito mais próximos dos comedores de Primal no espectro da dieta. A dieta primitiva ancestral é rica em alimentos de origem animal – carnes, peixes, aves, frutos do mar, ovos e laticínios – representam o componente mais denso em nutrientes e mais crucial da dieta humana. A dieta carnívora baseia-se em grande parte na conclusão lógica: os alimentos de origem animal são extremamente densos em nutrientes e tão importantes que devemos comê-los, excluindo todo o resto.

Não concordo plenamente, mas vejo de onde eles vêm. E há muito que podemos aprender com a dieta carnívora. Hoje tenho oito pontos relevantes:

1. Que um bife realmente não vai te matar

Eu cobri esses argumentos dezenas de vezes nessas páginas. Mas é realmente animador ver centenas e milhares de relatórios anedóticos de pessoas que prosperam enquanto comem dois, três, quatro lombo por dia durante meses e até anos a fio. Quando você vê isso, mesmo que seja “apenas” uma coleção de depoimentos, fica muito difícil pensar que comer um grande bife alimentado com capim sempre que você quiser, realmente causará câncer ou diabetes ou qualquer outra doença que tentam culpar a carne vermelha. Muito pelo contrário, as pessoas emagrecem e melhoram a saúde metabólica.

2. Que mais fibra nem sempre é a resposta

De todos os componentes alimentares por aí, a fibra é a que mais me impressiona. Ainda não consigo entender direito. É importante? É prejudicial? É inútil? Há evidências conflitantes a cada passo. Meu palpite – e a leitura da literatura antropológica e científica – me diz que algum substrato prebiótico é uma coisa boa para intestinos saudáveis, mas também me diz que a fibra em excesso pode ser prejudicial em determinadas situações e em certos biomas intestinais. Afinal, não estamos vivendo como os primitivos Hadza, comendo sashimi de cólon de antílope e nunca tocando em um sabão. Vivemos vidas relativamente estéreis. Nossos intestinos não são ancestrais, não importa quanto de kefir consumamos.

O que os carnívoros oferecem é evidência de que a fibra nem sempre é a resposta. E lembre-se de que as proteínas animais podem oferecer substrato prebiótico na forma de “fibra animal” (ossos, tendões, tecido conjuntivo, cartilagem) e – se você consumir laticínios – oligossacarídeos de leite.

3. Que oxalatos podem ser um problema

Você conhece aquela sensação estranha que sente na língua e nas gengivas após uma grande porção de espinafre? Esses são oxalatos, um anti-nutriente encontrado em muitos, senão na maioria dos alimentos vegetais. Eles podem se ligar a minerais e formar cristais, sendo os mais infames os cristais de oxalato de cálcio, que são o tipo mais comum de pedra nos rins. Realmente, não é divertido comê-los.

O movimento carnívoro aproveitou os oxalatos como uma razão para não consumir plantas. Muitos animais têm as adaptações para digerir e anular grandes quantidades de oxalatos. Os seres humanos, em geral, não. Há exceções, como o Hadza, cujos intestino abrigam bactérias degradadoras de oxalato, e provavelmente outras ainda a serem descobertas. E há uma variação definida mesmo entre os seres humanos que vivem em ambientes industrializados – nem todo mundo desenvolve pedras nos rins porque comeu espinafre com creme. Mas é uma boa ideia para o ser humano comum, pelo menos, estar ciente dos oxalatos.

Graças à sua nova consciência dos oxalatos, você pode descobrir maneiras de reduzir o impacto deles, se ainda quiser consumi-los.

Você pode fermentar seus alimentos. Beterrabas lacto-fermentadas, por exemplo, têm menos oxalatos que as beterrabas frescas.

Você pode escolher plantas com baixo teor de oxalato. A couve é bastante baixa em oxalatos em comparação com outras folhas verdes. O mesmo vale para outros membros da família brassica, como brócolis, couve e couve-flor: todos com pouco oxalato.

Você pode melhorar o seu metabolismo do cálcio. Comer bastante vitamina A (retinol), vitamina K2 e vitamina D, melhorará o metabolismo do cálcio e como resultado sobrará menos cálcio para se ligar ao oxalato e formar cristais. Consumir o mineral boro (ou suplementá-lo, já que não aparece em muitos alimentos) também pode reduzir a formação de cálculos de oxalato de cálcio.

Beber cerca de 10 ml de suco de limão ou lima durante o dia também reduzirá a formação de pedras de oxalato de cálcio.

Não pretendo que isso se torne um post sobre “o que fazer com oxalatos”. Mas sem a ampla difusão da dieta carnívora, muitas pessoas nem saberiam dos oxalatos.

4. Que a carne é verdadeiramente o fundamento ancestral da dieta humana

Quer dizer, nós sabíamos disso há muito tempo. Sabíamos que nossos ancestrais hominídeos comem carne e medula há mais de três milhões de anos. Sabíamos que o fato de comer carne é provavelmente o que ajudou a nos diferenciar de nossos primos primatas, que carne densa em calorias e de fácil digestão nos permitiu encolher nossas entranhas e cultivar nossos cérebros. Sabíamos que, de todas as populações existentes e conhecidas na Terra, nenhuma era vegana.

Mas o movimento carnívoro faz você sentir na pele o efeito da carne na saúde humana. Ao comer exclusivamente carne e não apenas sobreviver, mas aparentemente prosperar apenas com alimentos de origem animal como muitas tribos primitivas, eles o forçam a considerar sua primazia histórica na dieta humana. Agora, nem todos prosperam. Os desistentes, bem, eles abandonam.

Vemos apenas as histórias de sucesso, mas isso é válido para qualquer dieta, incluindo a Primal/ low carb. As desistências de dietas como Primal ou carnívoras tendem a ser menos comuns do que a maioria das dietas mais restritivas.

5. Que a melhor dieta de eliminação pode ser totalmente de carne

Escrevi recentemente um post sobre a dieta Autoimune Paleo, uma dieta de eliminação altamente restritiva, mas eficaz, usada para identificar alimentos desencadeantes em pacientes autoimunes.

Seguir a dieta carnívora pode ser apenas uma versão básica da mesma coisa. Elimina todos os mesmos alimentos, além de outros. E é mais simples. Você apenas come carnes, peixes e derivados como caldo de osso e nada mais. Tais limites rígidos torna a dieta mais fácil de ser seguida para determinado perfil de pessoas. Menos espaço de manobra, menos para pensar e menos para errar.

Isso foi basicamente o que Robb Wolf recentemente fez para tratar problemas intestinais persistentes: ele comeu carne e bebeu caldo de osso. Para a história completa, confira sua recente aparição no podcast do Dr. Paul Saladino.

6. Que os fitonutrientes não são a única maneira de induzir estresse hormético

Existem outras maneiras de induzir o estresse hormético, além dos polifenóis vegetais. Você pode jejuar. Você pode se exercitar. Você pode se expor ao frio ou ao calor. No entanto, é bom ter fitonutrientes por perto. Se você não está comendo mirtilos e brócolis porque “esses estressores horméticos não são o único jogo na cidade”, é melhor fazer as outras coisas. É melhor você usar a sauna, jejuar, treinar duro (mas inteligentemente) e passar frio por alguns minutos com a terapia termogênica.

7. Que um forte desempenho físico é possível sem toneladas de carboidratos exógenos

Você só precisa ver diversos atletas que seguem a dieta.

Agora, o glicogênio é útil. Mas você pode fabricar glicose a partir de aminoácidos e depositá-la como glicogênio, que estará recebendo bastante de toda a proteína que ingerir em uma dieta carnívora. Esse pode não ser o caminho mais fácil para todos os atletas de elite, mas o movimento dos carnívoros mostra que é possível para muita gente.

8. Como escolher os alimentos de origem animal mais densos em nutrientes

Existem carnívoros que comem bife e assumem que cobriram todas as suas bases, e também existem carnívoros que comem bife, ovos, salmão, fígado, rim, medula e mexilhões porque querem garantir que cobriram todas as suas bases. O primeiro grupo dirá algo sobre “os requisitos de nutrientes diminuindo para os carnívoros”, o que pode ser verdade, mas enquanto o último grupo pode concordar com o primeiro sobre as necessidades de nutrientes, eles provavelmente também querem estar mais seguros. Eles podem se gabar do teor de vitamina C do fígado fresco, o manganês nos mariscos, o selênio no rim, os ômega-3 de cadeia longa no salmão, a colina, creatina, coq10, carnitina e a biotina nos ovos e as vitaminas do complexo B.

Eu vi e escutei os argumentos do primeiro grupo constantemente. Ao descobrir a melhor maneira de obter a densidade máxima de nutrientes apenas com alimentos de fontes animais, eles podem fornecer um roteiro para quem deseja incluir os alimentos com animais mais densos em nutrientes em sua dieta onívora.

Dietas não são ideologias. Elas não são religiões. Você não precisa aceitar tudo. Você pode escolher o que funciona para você, especialmente o que realmente funciona para você. Você pode seguir essas lições contidas no post sem ficar totalmente carnívoro, assim como incorporar algumas das lições aprendidas dos veganos sem nem chegar perto.

Obrigado pela leitura, pessoal.

.

Primal Brasil

Lista de livros sobre a dieta low-carb

Por: Caio Fleury

 

Muita gente me pergunta sobre livros bons em português sobre dieta. Gostaria de recomendar dezenas ou centenas de livros, mas infelizmente o Brasil ainda é um país extremamente carente em livros e informações de qualidade sobre dieta e antienvelhecimento. Por este motivo, escrevi meus livros e continuo escrevendo para diminuir este gap.

Também irei compartilhar à você esta lista de livros ótimos em português para que você, além de ser um queimador de gordura, vire uma pessoa mais informada e inteligente sobre o assunto.

Então, vamos as dicas de leitura! Mas antes de tudo, se o seu problema é a dificuldade de colocar em prática a dieta e não uma dificuldade de entender os conceitos, então sugiro que faça um acompanhamento profissional antes, portanto, sugiro o coaching de emagrecimento:

1. Dieta e coaching de emagrecimento

Em primeiro lugar, para você dar um salto em direção a sua meta de melhora de saúde e emagrecimento você tem a opção de fazer o coaching de emagrecimento

Você faz centenas de pequenas decisões todos os dias, mas se elas não estão alinhadas com suas metas de perda de peso você terá pouco sucesso e poderá ficar desanimado por muito tempo sem tentar novamente.

Como disse Albert Einstein uma vez:

“Insanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa e esperar resultados diferentes”

Portanto, fica claro que temos que fazer algo diferente em nossos hábitos diários, mas para fazer algo diferente temos que saber exatamente o que fazer para em seguida colocar em prática.

 

Para fazer o coaching de emagrecimento clique abaixo ou me adicione no 11 97533 8525:

Atendimento personalizado: Até 10x no cartão

Acompanhamento comigo mesmo (Caio Fleury)

2. Livros

Em segundo lugar, junto com um coach profissional para te auxiliar no emagrecimento, sugiro leituras constantes (mesmo que seja apenas leitura vez ao dia).

Criei com carinho esta lista de livros ótimos em português:

Você pode encontrá-los no link da amazon ou em qualquer livraria:

 

  1. Dieta Low-Carb – Caio Fleury
  1. A Dieta dos Nossos Ancestrais – Caio Fleury
  2. A dieta da Mente – Perlmutter
  3. Medicina da imortalidade
  4. Cura sem esforço – Dr. Joseph Mercola
  5. Combustível para saúde – Dr. Joseph Mercola
  6. Por que engordamos – Gary Taubes
  7. Açúcar: Culpado ou inocente – Gary Taubes
  8. Barriga de trigo – Dr Willian Davis
  9. O que seu médico não sabe sobre medicina nutricional pode estar te matando – Dr. Ray Strand

1. Dieta low-carb – Caio Fleury

Dieta Low-Carb lança um olhar transformador sobre o paradigma atual de dieta saudável e eficiente para perda de peso, como é divulgado pelas principais mídias modernas. Este livro foi escrito para trazer informações preciosas, que você dificilmente encontrará em outras obras sobre o tema em língua portuguesa. Você vai compreender melhor o que é uma dieta prazerosa e saudável e terá uma ferramenta poderosa para auxiliá-lo na transformação do seu corpo e da sua mente

Clique aqui para comprar!

2. A Dieta dos Nossos Ancestrais – Caio Fleury

“Caio Fleury leva o leitor a uma fascinante jornada ao longo da evolução do ser humano, comparando o estilo de vida, o tipo de alimentação e a incrível saúde de nossos ancestrais com a alimentação e o estilo de vida do ser humano moderno – marcado pelo sedentarismo, que, associado a uma alimentação rica em carboidratos de alto índice glicêmico, traz diversos danos à saúde. Pela primeira vez no Brasil, A Dieta dos Nossos Ancestrais oferece um programa comprovado cientificamente, que inclui o consumo de uma variedade de alimentos com todos os nutrientes essenciais de que precisamos para perder peso e alcançar uma saúde superior. Se esse é o seu objetivo, A Dieta dos Nossos Ancestrais é ideal para você.”

Clique aqui para comprar!

3. A Dieta da Mente – David Perlmutter

Dr. David Perlmutter, um médico neurologista, foca nos efeitos deletérios dos carboidratos para o cérebro. Mostra como seu cérebro pode ser destruído pelos carboidratos, desenvolver resistência à insulina e acumular agregados de proteínas que levam ao mal de Alzheimer e demência.

4. Medicina da imortalidade

Dr. Ray Kurzweil e Terry Grossman desenvolveram um livro longo e fascinante com foco no antienvelhecimento e todas as práticas de biohacks, suplementos, alimentos e dieta para viver mais tempo e com mais saúde. O livro foca no estado atual da medicina antienvelhecimento e faz previsões sobre seu futuro.

5. Cura sem esforço – Dr. Joseph Mercola

Livro que foca na dieta cetogênica e todos os fatores ambientais necessários para viver com mais saúde e longevidade como a qualidade da água que consome, evitar a exposição a radiação, aterramento, suplementos e práticas ancestrais importantes como tomar sol e se movimentar ao longo do dia.

6. Combustível para saúde – Dr. Joseph Mercola

Parecido com seu outro livro, mas é um livro mais longo e mais aprofundado nestas e outras questões.

7. Por que engordamos – Gary Taubes

Gary Taubes é um dos principais proponente da low-carb nos Estados Unidos. Taubes discorre sobre as causas fundamentais do ganho de peso, tornando esta leitura fascinante.

Para saber mais sobre “Por que engordamos” clique aqui.

8. Açúcar: Culpado ou inocente – Gary Taubes

Outro livro excelente do Gary Taubes, mas focado no açúcar, que mata mais pessoas do que qualquer guerra e violência do mundo.

9. Barriga de trigo – Dr Willian Davis

Livro excelente sobre os problemas do trigo, o primeiro ou segundo ingrediente mais devastador para a saúde humana.

Clique aqui para saber mais.

10. O que seu médico não sabe sobre medicina nutricional pode estar te matando – Dr. Ray Strand

O título já diz tudo. Como a medicina atual é especializada em socorrer pessoas doentes e no limite de suas vidas e é carente na promoção de saúde e na prevenção. Como focar na prevenção de doenças cardíacas e câncer e ter uma maior expectativa de vida via suplementos e dieta.

Primal Brasil