Homem com tatuagem “não ressuscite” deixa médicos em conflito ético

iG São Paulo

Paciente estava desacordado e mensagem no corpo dizia para que ele não fosse reanimado; médicos seguiram orientações do conselho de ética

Tatuagem pedia que o paciente não fosse reanimado%3A

Tatuagem pedia que o paciente não fosse reanimado%3A “não ressuscite”%2C com ênfase no “não”

Foto: Divulgação/Universidade de Miami

Um homem de 70 anos chegou à emergência do hospital da Universidade de Miami, na Flórida, Estados Unidos, desacordado pelo consumo excessivo de álcool. Os médicos perceberam o estado grave de saúde do paciente e iriam começar a agir para que o quadro fosse amenizado. No entanto, uma frase de pedindo para que ele não fosse reanimado, escrita no peito do idoso, chamou a atenção e fez com que os profissionais entrassem em um conflito ético.

Leia também: Fazer várias tatuagens pode melhorar o sistema imunológico

O paciente tinha histórico de doenças no coração e pulmão, o que poderia influenciar na progressão do quadro clínico. Diante do dilema e sem saber o que fazer, a equipe médica decidiu, inicialmente, ignorar o aviso “Do not resuscitate” (“não ressuscite”, em português), e agiram para salvar o americano. Ele foi tratado com antibióticos, recebeu fluído por via intravenosa para reanimar e foi mantido respirando por aparelhos.

No entanto, ao consultar o conselho de ética, os médicos foram orientados a acatar o pedido da tatuagem. Um documento foi elaborado e enviado para o Departamento de Saúde da Flórida formalizando a situação e a decisão médica.

Depois disso, o estado de saúde do paciente piorou e ele acabou morrendo na mesma noite em que foi internado, sem nenhuma interferência médica. O caso foi publicado na revista científica “The New England Journal of Medicine”, na quinta-feira (30).

Leia também: Homem que deu início ao ‘desafio do balde de gelo’ morre aos 46 anos

Caso anterior

Essa não é a primeira vez que uma equipe médica americana passa por essa situação. Em 2012, um caso semelhante, de um homem com a sigla “DNR” que deu entrada em um hospital desacordado, foi noticiado no Journal of General International Medicine. Apesar do aviso, na ocasião, os médicos resolveram ignorar a mensagem e salvaram a vida do paciente diabético que precisava ter a perna amputada com urgência.

Anos depois, em entrevista ao jornal “The Washington Post”, o responsável pela equipe de saúde, o médico Gregory Holt, afirmou que o homem morava em uma casa de repouso e que foi encontrado bêbado na rua, sem nenhum documento que informasse dados de familiares e amigos.

“Tínhamos um homem com quem eu não conseguia falar”, disse Holt. “Queria conversar com ele para saber se a tatuagem realmente refletia seus desejos para o final da vida”, afirmou.

Ao ser tratado, quando acordou o paciente agradeceu os médicos e declarou que preferia ter sido salvo. Segundo ele, a tatuagem era resultado de uma partida de pôquer em que ele perdeu.

Ética

Casos de tatuagens de identificação médica não costumam ser raros. Muitos pacientes usam a mensagem no corpo para informar que têm restrições ou precisam de cuidados especiais, como os diabéticos ou alérgicos a medicações.

Apesar da decisão de respeitar o “pedido” do paciente, na Flórida, as tatuagens não valem como “documentos oficiais” de “não ressuscitação” de pacientes (DNR, como são conhecidas na sigla em inglês) que são protegidas pela privacidade médica. Pessoas com doenças crônicas costumam recorrer a esse recurso.

Porém, como não há como saber quantas pessoas assinaram o documento solicitando a não interferência médica em casos emergenciais, os médicos foram alertados a acatarem o pedido da frase pelo conselho ético de medicina.

Saúde: bem-estar, dicas de alimentação, dieta e exercícios – iG

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *